Product SiteDocumentation Site

1.3. O Funcionamento interno do Projeto Debian

Os resultados abundantes produzidos pelo projeto Debian derivam simultaneamente do trabalho na infraestrutura realizado pelos experientes desenvolvedores Debian, de trabalho individual ou coletivo dos desenvolvedores de pacotes Debian e dos comentários dos usuários.

1.3.1. Os Desenvolvedores Debian

Os desenvolvedores Debian tem várias responsabilidades, e como membros oficiais do projeto, eles têm grande influência sobre a direção que o projeto leva. Um desenvolvedor Debian é geralmente responsável por pelo menos um pacote, mas de acordo com seu tempo disponível e vontade, eles são livres para se envolver em numerosas equipes, adquirindo, assim, mais responsabilidades dentro do projeto.
Manutenção de pacotes é uma atividade relativamente organizada, muito documentada ou mesmo regulamentada. Deve, de fato, obedecer todas as normas estabelecidas pela Política Debian. Felizmente, existem muitas ferramentas que facilitam o trabalho do mantenedor. O desenvolvedor pode, assim, se concentrar nas especificidades do seu pacote e em tarefas mais complexas, tais como correção de erros.
A política, um elemento essencial do Projeto Debian, estabelece as normas que asseguram a qualidade dos pacotes e interoperabilidade perfeita da distribuição. Graças a esta Política, o Debian permanece consistente apesar de seu tamanho gigantesco. Esta Política não é cláusula pétrea, mas continuamente evolui graças às propostas formuladas na lista de discussão . As alterações acordadas por todas as partes interessadas são aprovadas e aplicadas ao texto por um reduzido grupo de mantenedores que não têm qualquer responsabilidade editorial (eles somente incluem as modificações acordadas pelos desenvolvedores do Debian que são membros da lista acima referida). Você pode ler as propostas de alteração em andamento no sistema de rastreamento de erros:
A Política cobre muito bem os aspectos técnicos do empacotamento. O tamanho do projeto também levanta problemas organizacionais, que são tratados pela Constituição Debian, que estabelece uma estrutura e meios para tomada de decisão. Em outras palavras, um sistema formal de governança.
Esta constituição define um certo número de papéis e posições, além de responsabilidades e autoridades para cada um. É particularmente interessante notar que os desenvolvedores do Debian sempre tem a decisão definitiva tomada autoridade por uma votação de resolução geral, em que uma maioria qualificada de três quartos (75%) de votos é necessária para as alterações significativas a serem feitas (como aquelas com um impacto sobre os Documentos de Fundação). No entanto, os desenvolvedores anualmente elegem um "líder" para representá-los em reuniões, e assegurar a coordenação interna entre equipes diferentes. Esta eleição é sempre um período de intensas discussões. Este papel do líder não é formalmente definido por qualquer documento: os candidatos para esse posto normalmente propõe sua própria definição da posição. Na prática, os papéis do líder incluem servir como um representante para os meios de comunicação, de coordenação entre equipes "interno" , e fornecer orientação geral para o projeto, dentro do qual os desenvolvedores podem se relacionar: as opiniões do DPL são implicitamente aprovado pela maioria dos membros do projeto .
Especificamente, o líder tem autoridade real; o voto deles resolve votações empatadas, eles pode tomar qualquer decisão que não esteja sob a autoridade de alguém e pode delegar parte das suas responsabilidades.
Desde a sua criação, o projeto foi sucessivamente liderado por Ian Murdock, Bruce Perens, Ian Jackson, Wichert Akkerman, Ben Collins, Bdale Garbee, Martin Michlmayr, Branden Robinson, Anthony Towns, Sam Hocevar, Steve McIntyre, Stefano Zacchiroli e Lucas Nussbaum.
A Constituição também define uma "comissão técnica". O papel essencial desta comissão é o de decidir sobre questões técnicas, quando os desenvolvedores envolvidos não chegaram a um acordo entre si. Caso contrário, esta comissão tem um papel consultivo para qualquer desenvolvedor que não consegue tomar uma decisão para os quais são responsáveis. É importante notar que eles só se envolvem quando convidados a fazê-lo por uma das partes em questão.
Finalmente, a Constituição define a posição de " secretário de projeto", que é responsável pela organização dos votos relacionados às várias eleições e resoluções gerais.
O "resolução geral " é o processo totalmente detalhado na Constituição, a partir do período de discussão inicial à contagem final de votos. Para mais detalhes ver:
Embora esta constituição se assemelhe a uma aparente democracia, a realidade cotidiana é muito diferente: O Debian naturalmente segue as regras da meritocracia do software livre: aquele que faz as coisas decide como fazê-las. Muito tempo pode ser desperdiçado debatendo os méritos de várias formas de abordar um problema; a solução escolhida será a primeira que é funcional e satisfatória... que honrará o tempo que uma pessoa competente colocou nela.
Esta é a única maneira de obter reconhecimento: fazer algo de útil e mostrar que funciona bem. Muitas equipes "administrativas" Debian operam por cooptação, preferindo voluntários que já contribuíram efetivamente e provaram sua competência. A naturaza pública do trabalho dessas equipes faz com que seja possível a observação e ajuda por parte de novos contribuintes, sem a necessidade de privilégios especiais É por isso que o Debian é frequentemente descrito como uma "meritocracia".
Este efetivo método operacional garante a qualidade dos contribuintes "chave" Debian do Debian. Este método é de forma alguma perfeita e, ocasionalmente, há aqueles que não aceitam esta forma de operar. A seleção dos desenvolvedores aceitos nas equipes pode parecer um pouco arbitrária, ou mesmo injusta. Além disso, nem todo mundo tem a mesma definição do serviço esperado das equipes. Para alguns, é inaceitável ter que esperar oito dias para a inclusão de um pacote novo, enquanto outros vão esperar pacientemente por três semanas sem nenhum problema. Como tal, há queixas regulares a partir de descontentes com a "qualidade de serviço" de algumas equipes.

1.3.2. O Papel Ativo dos Usuários

Alguém pode se perguntar se é relevante mencionar os usuários entre aqueles que trabalham dentro do projeto Debian, mas a resposta é com certeza "sim". eles desempenham um papel fundamental no projeto. Longe de ser "passivos", alguns usuários executam versões de desenvolvimento do Debian e regularmente apresentam relatórios de bugs para indicar problemas. Outros vão ainda mais longe e apresentam idéias de melhorias, mediante a apresentação de um relatório de bug com um nível de gravidade "wishlist", ou mesmo apresentam correções no código fonte, chamadas de "patches" (veja a barra lateral DE VOLTA AO BÁSICO Patch, a forma de enviar uma correção ).
Além disso, inúmeros usuários satisfeitos do serviço oferecido pelo Debian gostariam de fazer uma contribuição própria para o projeto. Como nem todos tem níveis apropriados de experiência em programação, eles escolhem ajudar com a tradução e revisão de documentação. Há listas de discussão específicas para vários idiomas.
Todos esses mecanismos de colaboração são mais eficientes com o comportamento dos usuários. Longe de serem uma coleção de pessoas isoladas, os usuários são uma verdadeira comunidade aonde ocorrem numerosas trocas. Notamos especialmente a impressionante atividade na lista de discussão de usuários, (Capítulo 7, Resolvendo Problemas e Encontrando Informações Relevantes discute isso com mais detalhe).
Não só os usuários se ajudam entre si (e outros) com questões técnicas que afetam diretamente a eles, mas também discutem as melhores formas de contribuir para o projeto Debian e ajudá-lo a avançar - discussões que frequentemente resultam em sugestões para melhorias.
Já que o Debian não gasta fundos em todas campanhas de auto-promoção de marketing, seus usuários têm um papel essencial na sua difusão, assegurando a sua fama através da propaganda boca a boca.
Este método funciona muito bem, uma vez que fãs do Debian são encontrados em todos os níveis da comunidade de software livre: a partir de festas de instalação (oficinas onde os usuários experientes ajudam os recém-chegados para instalar o sistema) organizados por GULs locais ou "Grupos de Usuários de Linux", para estandes de associação em grandes convenções que lidam com tecnologias como o Linux, etc.
Voluntários fazem cartazes, folhetos, adesivos e outros materiais promocionais úteis para o projeto, que colocam à disposição de todos, e que o Debian oferece gratuitamente em seu portal web:

1.3.3. Equipes e Sub-Projetos

O Debian é organizado inicialmente em torno do conceito de pacotes de código fonte, cada um com seu mantenedor ou grupo de mantenedores. Numerosas equipes de trabalho lentamente apareceram, garantindo a administração da infra-estrutura, gestão de tarefas não específicas para qualquer pacote em particular (garantia de qualidade, Política Debian, instalador, etc), com as últimas equipes crescendo ao redor dos sub-projetos.

1.3.3.1. Sub-Projetos Debian Existentes

Cada um com seu próprio Debian! Um subprojeto é um grupo de voluntários interessados em adaptar o Debian para necessidades específicas. Além da seleção de um subgrupo de programas destinados a um domínio particular (educação, medicina, criação multimídia, etc), os subprojetos estão também envolvidos em melhorar os pacotes existentes, empacotar software faltando, adaptar o instalador, criação de documentação específica, e mais.
Aqui está uma pequena seleção dos sub-projetos correntes:
  • Debian-Junior, por Ben Armstrong, oferecendo um atraente e fácil de usar sistema Debian para crianças;
  • Debian-Edu, por Petter Reinholdtsen, focada na criação de uma distribuição especializada para o mundo acadêmico;
  • Debian Med, por Andreas Tille, dedicada para o campo medicinal;
  • Debian-Multimedia, que trata do trabalho de áudio e multimídia;
  • O Debian-Desktop, que foca no desktop e coordena a artwork para o tema padrão;
  • O Debian GIS que cuida das aplicações e usuários do "Sistemas de Informação Geográfica - Geographical Information Systems";
  • O Debian Accessibility, finalmente, aprimorando o Debian para preencher os requisitos para as pessoas com necessidades especiais.
Esta lista provavelmente irá continuar a crescer com o tempo e melhor percepção das vantagens dos sub-projetos. Totalmente suportados pela infra-estrutura Debian existente , eles podem, com efeito, se concentrar no trabalho com valor acrescentado real, sem se preocupar em permanecer sincronizado com o Debian, uma vez que são desenvolvidos dentro do projeto.

1.3.3.2. Times Administrativos

A maioria das equipes administrativas são relativamente fechadas e recrutam só por cooptação. O melhor meio para se tornar parte de uma é inteligentemente auxiliar os atuais membros, demonstrando que você tenha entendido seus objetivos e métodos de operação.
O ftpmasters estão a cargo do repositório oficial dos pacotes Debian. Eles mantêm o programa que recebe pacotes enviados por desenvolvedores e automaticamente armazenam eles, depois de algumas verificações no servidor de referência ( ftp-master.debian.org ).
Eles devem igualmente verificar as licenças de todos os novos pacotes, a fim de assegurar que o Debian pode distribuí-los, antes da sua inclusão no corpo de pacotes existentes. Quando um desenvolvedor deseja remover um pacote, aborda esta equipe através do sistema de acompanhamento de bugs e o "pseudo-pacote" ftp.debian.org .
A equipe Administradores de Sistema do Debian (DSA) (), como se poderia esperar, é responsável pela administração do sistema de muitos servidores utilizados pelo projeto. Eles garantem o ótimo funcionamento de todos os serviços básicos (DNS, Web, e-mail, shell, etc), instalam o software solicitado por desenvolvedores Debian e tomam todas as precauções no que diz respeito à segurança.
A equipe listmasters administra o servidor de e-mail que gerencia as listas de discussão. Eles criam novas listas , tratam das quicadas (avisos de falha na entrega), e mantem os filtros de spam (massa não solicitada de e-mail).
Cada serviço específico tem sua própria equipe de administração, geralmente composta de voluntários que o instalaram (e também frequentemente programam as ferramentas correspondentes eles mesmos). Este é o caso do sistema de acompanhamento de bugs (BTS), o rastreador de pacotes, alioth.debian.org (servidor FusionForge, consulte a barra lateral FERRAMENTA FusionForge, o canivete suíço do desenvolvimento colaborativo), os serviços disponíveis em qa.debian.org, lintian.debian.org, buildd.debian.org, cdimage.debian.org, etc.

1.3.3.3. Equipes de Desenvolvimento, Equipes Transversais

Diferente das equipes administrativas, as equipes de desenvolvimento são bem amplamente abertas, mesmo para os contribuintes de fora. Mesmo que se o Debian não tem vocação para criar um software, o projeto necessita de alguns programas específicos para atender seus objetivos. Claro, desenvolvido sob uma licença de software livre, essas ferramentas fazem uso de métodos comprovados em outras partes do mundo do software livre.
Debian desenvolveu poucos softwares por si só, mas certos programas têm assumido um papel importante, sua fama se espalhou para além escopo do projeto. Bons exemplos são dpkg, o programa de gerenciamento de pacotes do Debian (é, na verdade, uma abreviatura de Debian PacKaGe -- pacote do Debian), e apt, uma ferramenta para instalação automática de qualquer pacote Debian, e suas dependências, garantindo a coesão do sistema após a atualização (seu nome é uma sigla para Advanced Package Tool -- Ferramenta Avançada de Pacotes). Os seus times são, no entanto, muito pequenos, uma vez que um nível bastante elevado de habilidade de programação é necessária para a compreensão do conjunto de ações destes tipos de programas.
A equipe mais importante é provavelmente a do programa de instalação do Debian, debian-installer, que realizou uma obra de proporções monumentais, desde a sua concepção em 2001. Vários colaboradores foram necessários, uma vez que é difícil escrever um único programa capaz de instalar o Debian em uma dúzia de diferentes arquiteturas. Cada um tem seu próprio mecanismo para inicialização e seu próprio bootloader. Todo este trabalho é coordenado na lista de discussão , sob a direção de Cyril Brulebois.
A (muito pequena) equipe do programa debian-cd tem um objetivo ainda mais modesto. Muitos "pequenos" colaboradores são responsáveis pela sua arquitetura, já que o principal desenvolvedor pode não saber todas as sutilezas, nem a forma exata para iniciar o instalador a partir do CD-ROM.
Muitas equipes devem colaborar com outras na atividade de empacotamento: tenta, por exemplo, garantir a qualidade em todos os níveis do projeto Debian. A equipe do lista do programa desenvolve A Política do Debian de acordo com propostas de todo o lugar. A equipe encarregada de cada arquitetura () compila todos os pacotes, adaptando-os à sua arquitetura particular, se necessário.
Outras equipes gerenciam os pacotes mais importantes, a fim de garantir a manutenção sem colocar uma carga muito pesada sobre um único par de ombros, este é o caso com a biblioteca C a , o compilador C na lista , ou o Xorg na (este grupo também é conhecido como o X Strike Force).