5.1. Iniciar o Instalador em Alpha

5.1.1. Consola de Firmware Alpha

A consola de firmware está guardada numa flash ROM e é iniciada quando um sistema Alpha é ligado ou reiniciado. Existem duas especificações diferentes de consolas utilizadas em sistemas Alpha, e assim, duas classes de consolas de firmware disponíveis.

  • As consolas SRM, baseadas na especificação do Alpha Console Subsystem, que disponibiliza um ambiente operacional para sistemas operativos OpenVMS, Tru64, UNIX e Linux.

  • As consolas ARC, AlphaBIOS, ou ARCSBIOS, baseadas na especificação Advanced RISC Computing (ARC), que providencia um ambiente operacional para Windows NT.

Da perspectiva do utilizador, a diferença mais importante entre SRM e ARC é que a escolha da consola restringe o possível esquema de partição do disco a partir do qual deseja arrancar.

ARC requer que utilize uma tabela de partições MS-DOS (como as criadas pelo cfdisk) para o disco de arranque. Assim, as tabelas de partições MS-DOS são do formato “nativo” quando se arranca a partir de ARC. De facto, como o AlphaBIOS contém um utilitário de particionamento de disco, você poderá preferir particionar os seus discos a partir dos menus do firmware, antes de instalar Linux.

Inversamente, SRM é incompatível[4] com as tabelas de partições MS-DOS. Como o Tru64 Unix utiliza o formato disklabel BSD, este é o formato de partição “nativo” para instalações SRM.

GNU/Linux é o único sistema operativo em Alpha que pode ser iniciado a partir de ambos os tipos de consola, mas Debian GNU/Linux 4.0 apenas suporta arranque em sistemas baseados em SRM (SRM-based). Se tem um Alpha para o qual nenhuma versão de SRM está disponível, se irá fazer dual-boot do sistema com Windows NT, ou se o seu periférico de boot requer suporte para uma consola ARC para inicialização por BIOS, não lhe irá ser possível correr o instalador de Debian GNU/Linux 4.0. Será, no entanto, possível correr Debian GNU/Linux 4.0 em tais sistemas usando outro meio para instalar; por exemplo, poderá instalar o Debian woody com recurso ao MILO e fazendo upgrade.

Uma vez que o MILO não está disponível para nenhum dos sistemas Alpha em produção corrente (em Fevereiro de 2000), e uma vez que já não é necessário comprar uma licença OpenVMS ou Tru64 Unix para ter firmware SRM no seu antigo Alpha, é recomendado que utilize SRM quando possível.

A tabela seguinte sumariza as combinações disponíveis e suportadas do tipo de sistema/consola (ver a Secção 2.1.2, “Suporte de CPUs, Placas principais e de Vídeo” para os nomes dos tipos de sistema). A palavra “ARC” abaixo denota qualquer das consolas compatíveis com ARC.

Tipo de Sistema Tipo de Consola Suportada
alcor ARC ou SRM
avanti ARC ou SRM
book1 só SRM
cabriolet ARC ou SRM
dp264 só SRM
eb164 ARC ou SRM
eb64p ARC ou SRM
eb66 ARC ou SRM
eb66p ARC ou SRM
jensen só SRM
lx164 ARC ou SRM
miata ARC ou SRM
mikasa ARC ou SRM
mikasa-p só SRM
nautilus ARC (veja o manual da motherboard) ou SRM
noname ARC ou SRM
noritake só SRM
noritake-p só SRM
pc164 ARC ou SRM
rawhide só SRM
ruffian só ARC
sable só SRM
sable-g só SRM
sx164 ARC ou SRM
takara ARC ou SRM
xl só ARC
xlt só ARC

Geralmente, nenhuma destas consolas pode iniciar o Linux directamente, portanto é necessária a assistência de um gestor de arranque. Para a consola SRM, é usado o aboot, um gestor de arranque pequeno e independente da plataforma usada. Ver o (infelizmente desactualizado) SRM HOWTO para mais informações acerca do aboot.

A maioria dos AlphaServers e todos os produtos actuais para servidores e estações de trabalho contém tanto SRM como AlphaBIOS no seu firmware. Para máquinas “half-flash” tais como as várias placas de avaliação, é possível mudar de uma versão para outra apenas fazendo novamente o flash ao firmware. Além disso, uma vez o SRM esteja instalado, é possível correr o ARC/AlphaBIOS a partir de uma disquete (usando o comando arc). Pelas razões mencionadas acima, nós recomendamos que mude para SRM antes de instalar Debian GNU/Linux.

Assim como noutras arquitecturas, deverá instalar a revisão de firmware mais recente[5] antes de instalar Debian GNU/Linux. Para Alpha, os updates de firmware podem ser obtidos a partir de Alpha Firmware Updates .

5.1.2. Iniciar com TFTP

Em SRM, as interfaces Ethernet são nomeados com o prefixo ewa, e serão listados na saída do comando show dev, tal como se mostra em seguida (ligeiramente editado):

>>> show dev
ewa0.0.0.9.0               EWA0              08-00-2B-86-98-65
ewb0.0.0.11.0              EWB0              08-00-2B-86-98-54
ewc0.0.0.2002.0            EWC0              00-06-2B-01-32-B0

Primeiro, necessita de estabelecer o protocolo de arranque:

>>> set ewa0_protocol bootp

De seguida verificar se o tipo de media é correcto:

>>> set ewa0_mode mode

Pode obter uma lista dos modos válidos através de >>>set ewa0_mode.

Depois, para iniciar a primeira interface de Ethernet, deverá digitar:

>>> boot ewa0 -flags ""

Isto irá iniciar os parâmetros de kernel pré-definidos, como foram incluídos na imagem netboot.

Se deseja usar a consola de série, tem de passar o parâmetro console= para o kernel. Isto pode ser feito usado o argumento -flags para o comando boot do SRM.As portas série são nomeadas da mesma maneira que o seu correspondente em ficheiros em /dev. Também, quando especificar parâmetros de kernel adicionais, terá de repetir certas opções pré-definias que são necessárias pelas imagens do debian-installer. Por exemplo, para arrancar a partir de ewa0 e usar uma consola na primeira porta série, deverá digitar:

>>> boot ewa0 -flags "root=/dev/ram ramdisk_size=16384 console=ttyS0"

5.1.3. Iniciar a partir de CD-ROM com a Consola SRM

Os CDs de instalação Debian GNU/Linux incluem opções de arranque pré-configuradas para consolas VGA e série. Escreva

>>> boot xxxx -flags 0

para arrancar utilizando a consola VGA, onde xxxx é o seu leitor de CD-ROM drive em notação SRM. Para utilizar a consola série no primeiro dispositivo série, escreva

>>> boot xxxx -flags 1

e para a consola na segunda porta série, escreva

>>> boot xxxx -flags 2



[4] Especificamente, o formato do sector de boot necessário pela Console Subsystem Specification entra em conflito com a colocação da tabela de partições do DOS.

[5] Excepto em Jensen, onde o Linux não é suportado nas versões superiores a 1.7 — ver http://www.alphalinux.org/faq/FAQ-9.html para mais informação.