2.4. Comprando Hardwares específicos para GNU/Linux

Existem muitos vendedores, que vendem sistemas com Debian ou outras distribuições de GNU/Linux pré-instaladas. Você pode ter que pagar mais pelo privilégio, mas isto não compra o nível de paz de mente que isto traz, pois você poderá ter certeza que o hardware é bem suportado pelo GNU/Linux.

Se tiver que comprar uma máquina com o Windows instalado, leia cuidadosamente a licença de software que vem com o Windows; você pode rejeita a licença e obter um desconto do seu vendedor. Procurar na Internet por “windows refund” (reembolso windows) pode trazer alguma informação útil para ajudá-lo nisto.

Caso esteja ou não comprando um sistema com o Linux incluído, ou até mesmo um sistema usado, é ainda importante verificar se seu hardware é suportado pelo kernel do Linux. Verifique se o seu hardware está listado nas referências encontradas acima. Deixe seu vendedor (se tiver) saber que está comprando para um sistema Linux. Apóie os vendedores que são amigos de hardwares compatíveis com o Linux.

2.4.1. Evite Hardwares Proprietários ou Fechados

Alguns fabricantes de hardwares simplesmente não nos dizem como escrever controladores para seus hardwares. Outros não nos permitem acessar a documentação sem antes assinar uma causa de não revelação que nos impediriam de lançar o código fonte no Linux.

Como não tivemos acesso garantido a documentação destes dispositivos, eles simplesmente não funcionam sob o Linux. Você poderá ajudar perguntando os fabricantes de tais hardwares para obterem a documentação. Se pessoas suficientes perguntarem, eles verão que a comunidade de software livre é um mercado importante.

2.4.2. Hardwares específicos para Windows

Uma tendência que incomoda é a proliferação de modems e impressoras específicos para Windows. Em alguns casos, estes são especialmente desenvolvidos para funcionarem com o sistema operacional Microsoft Windows e vem com a legenda “WinModem” ou “Feito especialmente para computadores baseados em Windows”. Isto é geralmente feito removendo-se os processadores embutidos do hardware e deixando o trabalho deles serem feitos por um driver do windows que é executado pela CPU principal do micro. Esta estratégia torna o hardware menos caro, mas o que é salvo quase nunca é passado para o usuário e este hardware pode até se tornar mais caro que um dispositivo equivalente que contém sua inteligência embutida.

Você deve evitar hardwares específicos para Windows por duas razões. A primeira é que os fabricantes normalmente não tornam disponível os recursos para escrever um driver para Linux. Geralmente, o hardware e a interface de software do dispositivo é proprietária, e a documentação não é liberada sem um acordo de não revelação, se ele também estiver disponível. Isto impede que que ele seja usado por softwares livres, pois pessoas que escrevem software livre distribuem o código fonte em seus programas. A segunda razão é que quando dispositivos como estes tem seus processadores embutidos removidos, o sistema operacional deve fazer o trabalho destes processadores embutidos, normalmente em prioridade tempo real, e assim a CPU não estará disponível para executar seus programas enquanto estiver controlando estes dispositivos. Até mesmo um típico usuário de Windows não obtém um multi-processamento tão intensivo quanto um usuário Linux, os fabricantes esperam que o usuário do Windows simplesmente não note a carga que estes hardwares colocam em sua CPU. No entanto, qualquer sistema operacional multi-processamento, até mesmo o Windows 95 ou NT, tem a performance prejudicada quando fabricantes de periféricos colocam a carga de processamento de seus hardwares na CPU.

Você poderá ajudar a melhorar esta situação encorajando estes fabricantes a lançarem a documentação e outros recursos necessários por nós para programar seus hardwares, mas a melhor estratégia é simplesmente evitar este tipo de hardware até que ele pareça estar funcionando em Linux Hardware Compatibility HOWTO.