B.2. Usando pré-configuração

Você primeiro precisa criar um arquivo de pré-configuração e colocá-lo em um local onde você possa usar. A criação do arquivo de pré-configuração é coberto mais tarde neste apêndice. Colocar no local correto é essencial para pré-configuração por rede ou se você quiser ler o arquivo de um disquete ou de um “usb-stick”. Se você quiser incluir o arquivo em um CD ou DVD, você deve recriar a imagem ISO. Como ter o arquivo de pré-configuração incluído no initrd está fora do escopo deste documento; por favor consulte a documentação para desenvolvedores do debian-installer.

Um exemplo de arquivo de pré-configuração que você pode usar como base para o seu arquivo de pré-configuração está disponível em http://www.debian.org/releases/etch/example-preseed.txt. Este arquivo é baseado nos fragmentos de configuração incluídos neste apêndice.

B.2.1. Carregando o arquivo de pré-configuração

Se estiver usando pré-configuração initrd, você deve se assegurar que o arquivo com nome preseed.cfg está incluído no diretório raiz do initrd. O instalador irá automaticamente checar se o arquivo está presente e o carrega.

Para outros métodos de pré-configuração você tem que dizer ao instalador qual arquivo usar quando você o iniciar. Isto é feito passando para o kernel um parâmetro de inicialização, tanto manualmente no momento da inicialização como editando o arquivo de configuração do bootloader, (ex.: syslinux.cfg ) e adicionando o parâmetro no final da(s) linha(s) append do kernel.

Se você especificar o arquivo de pré-configuração na configuração do bootloader, você pode mudar a configuração para não precisar apertar enter para carregar o instalador. Para o syslinux isso significa marcar o timeout para 1 no syslinux.cfg.

Para ter certeza que o instalador pegou o arquivo de pré-configuração certo, você pode opcionalmente especificar um checksum para o arquivo. Atualmente isto precisa ser um md5sum, e se especificado deve coincidir com o arquivo de pré-configuração ou o instalador se recusará a usá-lo.

Parâmetros de inicialização a especificar:
- se estiver iniciando pela rede:
  preseed/url=http://host/path/to/preseed.cfg
  preseed/url/checksum=5da499872becccfeda2c4872f9171c3d

- se estiver iniciando por um CD recriado:
  preseed/file=/cdrom/preseed.cfg
  preseed/file/checksum=5da499872becccfeda2c4872f9171c3d

- se estiver instalando por uma mídia USB (coloque o arquivo de pré-configuração
  no diretório de primeiro nível do “USB stick”):
  preseed/file=/hd-media/preseed.cfg
  preseed/file/checksum=5da499872becccfeda2c4872f9171c3d

Note que preseed/url pode ser abreviado para apenas url e preseed/file para apenas file quando são passados como parâmetros de inicialização.

B.2.2. Usando parâmetros de inicialização para pré-configurar questões

Se um arquivo de pré-configuração não puder ser usado para pré-configurar alguns passos, a instalação ainda pode ser totalmente automatizada, já que você pode passar valores pré-configurados pela linha de comando quando inicializar o instalador.

Parâmetros de inicialização também podem ser usados se você não quer realmente usar a pré-configuração, mas apenas quer fornecer uma resposta para uma pergunta específica. Alguns exemplos onde isso pode ser útil estão documentados em outro lugar deste manual.

Para definir um valor a ser usando dentro do debian-installer, apenas passe caminho/para/a/variavel=valor para qualquer uma das variáveis de pré-configuração listadas nos exemplos neste apêndice. Se um valor é para ser usado para configurar pacotes no sistema algo, você precisa prefixar o dono[21] da variável como em dono:caminho/para/a/variavel=valor. Se você não especificar um dono, o valor para a variável não será copiado para a base de dados do debconf no sistema alvo e portanto permanecerá sem uso durante a configuração do pacote relevante.

Note que algumas variáveis que são freqüentemente definidas no prompt de inicialização tem um apelido abreviado. Se um apelido está disponível, ele é usado nos exemplos deste apêndice ao invés da variável completa. Em particular, a variável preseed/url foi apelidada como url e tem algumas mágicas a mais para permitir o uso de urls reduzidas. Outro exemplo é o apelido tasks, que traduz para tasksel:tasksel/first.

Um “--” nas opções de inicialização tem um significado especial. Parâmetros do kernel que aparecem após o último “--” podem ser copiados dentro da configuração do carregador de inicialização (“bootloader”) para o sistema instalado (se suportado pelo instalador para o carregador de inicialização). O instalador irá automaticamente filtrar quaisquer opções (como opções pré-configuradas) que reconhecer.

Nota

Kernels atuais (2.6.9 e posteriores) aceitam um máximo de 32 opções de linha de comando e 32 opções de ambiente, incluindo quaisquer opções adicionadas por padrão pelo instalador. Se esses números forem excedidos, o kernel irá entrar em pânico (crash). (Para kernels anteriores, esses números eram menores).

Para a maioria das instalações algumas das opções padrão do arquivo de configuração do seu carregador de inicialização (“bootloader”, como vga=normal, podem ser removidas com segurança, o que permite que você adicione mais opções na pré-configuração.

Nota

Talvez nem sempre seja possível especificar valores com espaços nos parâmetros de inicialização, mesmo se você delimitá-los com aspas.

B.2.3. Modo auto

Existem vários recursos do Instalador Debian que se combinam para permitir que simples linhas de comando passadas ao carregador de inicialização resultem em instalações automaticamente personalizadas e arbitrariamente complexas. Para ilustrar isso, aqui estão alguns exemplos que podem ser usados no prompt de inicialização:

auto url=autoserver

Isso depende da existência de um servidor DHCP que irá levar a máquina ao ponto onde autoserver possa ser resolvido pelo DNS, talvez após adicionar o domínio local se isso for fornecido pelo DHCP. Se isso for feito em um local onde o domínio é example.com, e eles tiverem um DCHP com uma configuração razoavelmente sã, isso resultaria em um arquivo de pré-configuração sendo pego de http://autoserver.example.com/d-i/etch/./preseed.cfg.

+The last part of that url (d-i/etch/./preseed.cfg) +is taken from auto-install/defaultroot. By default +this includes the directory etch to allow future versions +to specify their own codename and let people migrate forwards in a A última parte daquela url (d-i/etch/./preseed.cfg) é tirada de auto-install/defaultroot. Por padrão isto inclui o diretório etch para permitir que futuras versões especifiquem o seu próprio codinome e deixar que as pessoas migrem adiante de uma maneira controlada. O /./ é usado para indicar uma raiz relativa, no qual subseqüentes caminhos podem ser ancorados (para uso em preseed/include e preseed/run). Isso permite que arquivos sejam especificados tanto como URLs completas, caminhos iniciados com / que são assim ancorados, ou mesmo caminhos relativos para o local onde o último arquivo de pré-configuração foi encontrado. Isso pode ser usado para construir scripts mais portáveis onde toda uma hierarquia de scripts pode ser movida para um novo local sem ser quebrada, por exemplo, copiando os arquivos para um dispositivo USB quando eles foram iniciados em um servidor web. Neste exemplo, se o arquivo de pré-configuração define preseed/run para /scripts/late_command.sh então o arquivo será pego de http://autoserver.example.com/d-i/etch/./scripts/late_command.sh.

Se não existir uma infraestrutura local com DHCP ou DNS, ou se você não quiser usar o caminho padrão para o preseed.cfg, você pode ainda usar uma url explícita, e se você não usar o elemento /./ ele será ancorado no início do caminho (i.e. o terceiro / da URL). Aqui está um exemplo que requer suporte mínimo da infraestrutura da rede local:

auto url=http://192.168.1.2/path/to/mypreseed.file

A maneira como isso funciona é esta:

  • se a URL não especificar um protocolo, http é assumido,

  • se a seção contendo o nome da máquina não tiver pontos, ela terá o domínio derivado do DHCP anexado a ela, e

  • se não existir /'s após o nome da máquina, então o o caminho padrão é adicionado.

Adicionalmente ao especificar a url, você pode também especificar configurações que não afetam diretamente o comportamento do debian-installer em si, mas podem ser passadas através de scripts especificados usando preseed/run no arquivo de pré-configuração carregado. No momento, o único exemplo disso é auto-install/classes, o qual tem um apelido classes. Isso pode ser usado assim:

auto url=example.com classes=class_A;class_B

As classes poderiam, por exemplo, denotar o tipo de sistema a ser instalado, ou a localização a ser usada.

Claro que é possível estender este conceito, e se você o fizer, é razoável usar o “auto-install namespace” para isso. Então, alguém poderá ter algo como auto-install/style o qual é então usado em seus scripts. Se você achar necessário fazer isso, por favor mencione isso (em inglês) na lista de e-mail para que nós possamos evitar conflitos de nomes, e talvez adicionar um apelido para o parâmetro para você.

O rótulo de inicialização auto ainda não está definido em todas as arquiteturas. O mesmo efeito pode ser alcançado simplesmente adicionando os dois parâmetros auto=true priority=critical à linha de comando do kernel. O parâmetro auto é um apelido para auto-install/enable e controla o atraso das questões sobre localização e teclado até após ter tido a chance de fazer a pré-configuração deles, enquanto priority é um apelido para debconf/priority e definindo isso para critical evita quaisquer questões com uma baixa prioridade de serem perguntadas.

Opções adicionais que possam ser de interesse durante a tentativa de automatizar a instalação usando o DHCP são: interface=auto netcfg/dhcp_timeout=60 a qual faz com que a máquina escolha a primeira interface de rede viável e seja mais paciente sobre ter uma resposta para sua pesquisa DHCP.

Dica

Um exemplo extenso de como usar este “framework”, incluindo exemplos de scripts e classes, pode ser encontrado no site web do desenvolvedor. Os exemplos disponíveis lá também mostram muitos outros efeitos legais que podem ser alcançados através do uso criativo da pré-configuração.

B.2.4. Apelidos úteis para pré-configuração

Os apelidos a seguir podem ser úteis ao usar (modo auto) pré-configuração.

auto auto-install/enable
classes auto-install/classes
fb debian-installer/framebuffer
locale debian-installer/locale
priority debconf/priority
file preseed/file
url preseed/url
interface netcfg/choose_interface
hostname    netcfg/get_hostname
domain netcfg/get_domain
protocol mirror/protocol
suite mirror/suite

B.2.5. Usando um servidor DHCP para especificar arquivos de pré-configuração

Também é possível usar DHCP para especificar um arquivo de pré-configuração a ser baixado pela rede. O DHCP permite especificar um nome de arquivo. Normalmente este é um arquivo para o boot de rede (“netboot”), mas se ele se parece com uma URL então a mídia de instalação que suporta pré-configuração pela rede, vai baixar o arquivo da URL e o utilizará como um arquivo de pré-configuração. Aqui está um exemplo de como configurar isso no dhcpd.conf para a versão 3 do servidor ISC DHCP (o pacote Debian dhcp3-server).

if substring (option vendor-class-identifier, 0, 3) = "d-i" {
    filename "http://host/preseed.cfg";
}

Note que o exemplo acima limita o nome do arquivo para clientes DHCP que se identificam como "d-i", portanto isto não afetará outros clientes DHCP, afetando apenas o instalador. Você também pode por o texto numa instância para apenas uma máquina em particular para evitar pré-configuração de todos as instalações na sua rede.

Uma boa forma de usar a pré-configuração DHCP é pré-configurar apenas valores específicos para a sua rede, como o espelho Debian a ser usado. Desta forma, instalações na sua rede vão automaticamente pegar um bom espelho selecionado, mas o resto da instalação pode ser realizada interativamente. Usando a pré-configuração DHCP para automatizar totalmente as instalações de Debian deve ser feita somente com cuidado.



[21] O dono de uma variável debconf (ou modelo) é normalmente o nome do pacote que contém o modelo debconf correspondente. Para variáveis usadas no próprio instalador o dono é “d-i”. Modelos e variáveis podem ter mais de um dono, isto ajuda a determinar se eles podem ser removidos da base de dados debconf se o pacote for expurgado (“purged”).