C.5. Programas de particionamento da Debian

Diversas variedades de programas de particionamento foram adaptados por desenvolvedores da Debian para funcionar com vários tipos de discos rígidos e arquiteturas de computadores. O seguinte é uma lista de programas aplicáveis para sua arquitetura.

partman

Ferramenta de particionamento recomendada na Debian. Esse canivete suíço também pode redimensionar, criar sistemas de arquivos (“formatar” no mundo do Windows) e te indicar pontos de montagem.

fdisk

O particionador de discos original do Linux, bom para gurus.

Seja cuidadoso se tiver partições FreeBSD existentes em sua máquina. O kernel da instalação inclui suporte para estas partições, mas o método que o fdisk as representa (ou não) podem fazer os nomes de dispositivos diferentes. Veja o Linux+FreeBSD HOWTO.

cfdisk

Um particionador de disco simples de se utilizar e em tela cheia para o resto de nós.

Note que o cfdisk não entende partições do FreeBSD completamente e, novamente, os nomes de dispositivos podem ser diferentes.

Um destes programas será executado por padrão quando selecionar Particionando Discos (ou similar). Talvez seja possível usar uma ferramenta de particionamento diferente a partir da linha de comando no terminal 2 (VT2), mas isto não é recomendado.

Lembre-se de marca sua partição de inicialização como “Inicializável”.

C.5.1. Particionamento para Intel x86

Se já tiver um sistema operacional tal como o DOS ou Windows e deseja preservar este sistema durante a instalação da Debian, você provavelmente terá que redimencionar o tamanho da partição ocupada, liberando seu espaço livre para a instalação da Debian. O programa de instalação suporta o redimensionamento de ambos os sitemas de arquivos FAT e NTFS; quando chegar no passo de particionamento do sistema de instalação, selecione a opção Manual e simplesmente selecione a partição do sistema existente e altere seu tamanho.

A BIOS do PC geralmente adiciona barreiras adicionais com relação ao particionamento de disco. Existe um limite de quantas partições “primárias” e “lógicas” uma unidade de disco pode ter. Adicionalmente, com BIOS pré 1994–98 existem limites de que unidades a BIOS pode inicializar o sistema. Mais informações podem ser encontradas no Linux Partition HOWTO e na Phoenix BIOS FAQ, mas esta seção incluirá uma breve visão para ajudar a planejar a maioria das situações.

As partições “primárias” fazem parte do esquema original de particionamento para discos PC. No entanto, somente podem existir quatro delas. Para superar esta limitação, as partições “extendidas” e “lógicas” foram inventadas. Quando selecionar uma de suas partições primárias como uma partição extendida, você poderá subdividir todo o espaço alocado para aquela partição em partições lógicas. Você poderá criar até 60 partições lógicas por partição extendida; no entanto você somente poderá ter uma partição extendida por unidade.

O Linux limita as partições por unidade a 15 partições para discos SCSI (3 partições primárias utilizáveis e 12 partições lógicas) e 63 partições em uma unidade de discos IDE (3 partições primárias utilizáveis e 60 partições lógicas). No entanto a Debian GNU/Linux fornece apenas 20 dispositivos para partições em sua instalação inicial, assim não poderá instalar usando mais de 20 partições a não ser que primeiro crie manualmente os dispositivos para estas partições.

Caso tenha um disco IDE grande e está usando ou o endereçamento LBA ou controladores overlay (algumas vezes fornecidos por fabricantes de discos rígidos), então a partição de inicialização (a partição contendo a imagem do kernel) deverá ser colocada entre os primeiros 1024 cilindros do seu disco rígido (normalmente em torno de 524MB, sem a tradução de BIOS).

Esta restrição não se aplica se tiver uma BIOS mais nova que 1995–98 (dependendo da adoção do seu fabricante) que suporta a “Especificação de Suporte Avançado de Unidades de Disco”. Ambos o Lilo, o Linux Loader, e o comando alternativo mbr da Debian devem usar a BIOS para ler o kernel do disco e carregá-lo na memória RAM. Caso as extensões 0x13 da BIOS para acesso a discos de grande capacidades foram detectadas, elas serão usadas. Caso contrário, a interface de acesso a disco é usada como padrão e não poderá ser usada para endereçar qualquer localização no disco maior que o cilindro 1023. Assim que o Linux for inicializado, não importa qual BIOS seu computador possui, estas restrições não se aplicam mais, pois o Linux não utiliza a BIOS para fazer acesso a disco.

Se tiver um disco grande, você pode ter que usar as técnicas de tradução de cilindros, que poderá configurar através do programa de configuração da BIOS, tal como o LBA (Logical Block addressing) ou o modo de tradução CHR (“Large”). Mais informações sobre assuntos relacionados com discos grandes podem ser encontrados no documento Large Disk HOWTO. Se estiver usando um esquema de tradução de cilindros e sua BIOS não suporta as extensões de acesso a discos grandes então sua partição de inicialização terá que caber dentro da representação translated traduzida do cilindro 1024.

O método recomendado de se fazer isto é criar uma partição pequena (25 a 50MB deverá ser o suficiente) no início do disco para ser usada como partição de inicialização, e então criar qualquer outra partição que desejar ter na área restante. Esta partição de inicialização deverá ser montada em /boot, pois este é o diretório aonde o kernel do Linux será armazenado. Esta configuração funcionará em qualquer sistema, não importando se a tradução LBA ou CHR é usada e não importando se sua BIOS suporta as extensões de acesso a discos grandes.