D.1. Dispositivos do Linux

No Linux, diversos arquivos especiais podem ser encontrados sob o diretório /dev. Estes arquivos são chamados de arquivos de dispositivos e não se comportam como arquivos comuns. Os tipos mais comuns de arquivos de dispositivos são os dispositivos de bloco (“block devices”)e os dispositivos de caracter (“character devices”). Estes arquivos são uma interface para o driver atual (parte do kernel Linux) que por sua vez acessa o hardware. Outro tipo, menos comum, de arquivo de dispositivo é o chamado pipe. Os arquivos de dispositivo mais importantes estão listados nas tabelas abaixo.

fd0 Primeira Unidade de Disquetes
fd1 Segunda Unidade de Disquetes

hda Disco rígido IDE / CD-ROM na primeira porta IDE (Principal)
hdb Disco rígido IDE / CD-ROM na primeira porta IDE (Escravo)
hdc Disco rígido IDE / CD-ROM na segunda porta IDE (Principal)
hdd Disco rígido IDE / CD-ROM na segunda porta IDE (Escravo)
hda1 Primeira partição do primeiro disco rígido IDE
hdd15 Décima quinta partição do quarto disco rígido IDE

sda Disco rígido SCSI com o ID mais baixo (e.g. 0)
sdb Disco rígido SCSI com o próximo ID após o menor (e.g. 1)
sdc Disco rígido SCSI com o próximo ID (e.g. 2)
sda1 Primeira partição do primeiro disco rígido SCSI
sdd10 Décima partição do quarto disco rígido SCSI

sr0 Unidade de CD-ROM SCSI com o ID SCSI mais baixo
sr1 Unidade de CD-ROM SCSI com o ID SCSI maior que o anterior

ttyS0 Porta serial 0, COM1 no MS-DOS
ttyS1 Porta serial 1, COM2 no MS-DOS
psaux dispositivo de mouse PS/2
gpmdata Pseudo dispositivo, repetidor de dados do daemon GPM (mouse)

cdrom Link simbólico para a unidade de CD-ROM
mouse Link simbólico para o arquivo de dispositivo de mouse

null Qualquer coisa escrita neste dispositivo irá desaparecer
zero Qualquer um poderá ler zeros deste dispositivo

D.1.1. Configurando seu Mouse

O mouse pode ser usado em ambos o console do Linux (com o gpm) e no ambiente de janelas X. Normalmente, isso é resolvido simplesmente instalando o gpm e o próprio servidor X. Ambos devem ser configurados para usar /dev/input/mice como dispositivo de mouse. O protocolo do mouse correto é nomeado como exps2 no gpm, e ExplorerPS/2 no X. Os respectivos arquivos de configuração são /etc/gpm.conf e /etc/X11/xorg.conf.

Certos módulos do kernel devem ser carregados para que seu mouse funcione. Na maioria dos casos os módulos corretos são autodetectados, mas nem sempre para antigos mouses serial e bus[19], os quais são raros, a não ser em computadores antigos. Um sumário dos módulos do kernel Linux necessários para os diferentes tipos de mouse:

Módulo Descrição
psmouse mouse PS/2 (deve ser autodetectado)
usbhid mouse USB (deve ser autodetectado)
sermouse A maioria dos mouses serial
logibm Mouse Bus conectado a uma placa adaptadora Logitech
inport mouse Bus conectado a uma placa Inport ATI ou Microsoft

Para carregar um módulo para o mouse, você pode usar o comando modconf (do pacote com mesmo nome) e olhar na categoria kernel/drivers/input/mouse.



[19] O mouse serial usualmente tem um conector com 9 buracos em formato D; o mouse bus tem um conector de 8 pinos redondo, não confunda com o conector de 6 pinos do mouse PS/2 ou o conector de 4 pinos de um mouse ADB.