D.1. Dispositivos em Linux

Em Linux podem ser encontrados vários ficheiros especiais sob o directório /dev. Estes ficheiros são chamados de ficheiros de dispositivo e comportam-se de forma diferente de ficheiros normais. Os tipos mais comuns de ficheiros de dispositivo são para os dispositivos de bloco e de caracteres. Estes ficheiros são um interface para o driver (parte do kernel Linux) que por sua vez acede ao hardware. Outro, menos comum, tipo de ficheiro de dispositivo é o chamado pipe. Os ficheiros de dispositivos mais importantes estão listados nas tabelas abaixo.

fd0 Primeira Drive de Disquete
fd1 segunda Drive de Disquete

hda Disco Rígido IDE / CD-ROM no primeiro canal IDE (Master)
hdb Disco Rígido IDE / CD-ROM no primeiro canal IDE (Slave)
hdc Disco Rígido IDE / CD-ROM no segundo canal IDE (Master)
hdd Disco Rígido IDE /CD-ROM no segundo canal IDE (Slave)
hda1 Primeira partição do primeiro disco rígido IDE
hdd15 Décima-quinta partição do quarto disco rígido IDE

sda Disco Rígido SCSI com o SCSI ID mais baixo (e.g. 0)
sdb Disco Rígido SCSI com o próximo SCSI ID mais alto (e.g. 1)
sdc Disco Rígido SCSI com o próximo SCSI ID mais alto (e.g. 2)
sda1 Primeira partição do primeiro disco rígido SCSI
sdd10 Décima partição do quarto disco rígido SCSI

sr0 CD-ROM SCSI com o SCSI ID mais baixo
sr1 CD-ROM SCSI com o próximo SCSI ID mais alto

ttyS0 Porto Série 0, COM1 em MS-DOS
ttyS1 Porta série 2, COM2 em MS-DOS
psaux Dispositivo de rato PS/2
gpmdata Pseudo dispositivo, daemon repetidor de informação do GPM (rato)

cdrom Link simbólico para a drive de CD-ROM
mouse Link simbólico para o ficheiros de dispositivo mouse

null Tudo o que for escrito para este dispositivo irá desaparecer
zero É possível ler infinitamente zeros a partir deste dispositivo

D.1.1. Preparando o Seu Rato

O rato pode ser utilizado quer no ambiente de consola Linux (com gpm) quer no ambiente de janelas X. Normalmente, é uma simples questão de instalar o gpm e o próprio servidor X. Ambos devem ser configurados para utilizarem como dispositivo de rato /dev/input/mice. O protocolo correcto do rato é chamado exps2 no gdm, e ExplorerPS/s no X. Os respectivos ficheiros de configuração são /etc/gpm.conf e /etc/X11/xorg.conf.

Têm de ser carregados certos módulos do kernel para que o seu rato funcione. Na maioria dos casos os módulos correctos são auto-detectados, mas não o são sempre para o antigo rato série e bus[18], que são extremamente ratos excepto em computodores muito antigos. O sumário dos módulos do kernel Linux que são necessários para diferentes tipos de ratos:

Módulo Descrição
psmouse Rato PS/2 (deverá ser autodetectado)
usbhid Rato USB (deverá ser autodetectado)
sermouse A maioria dos ratos série
logibm Rato bus ligado a placa adaptadora Logitech
inport Rato bus ligado a placa ATI ou Microsoft InPort

Para carregar um módulo de controlador de rato, pode utilizar o comando modconf (a partir do pacote com o mesmo nome) e ver na categoria kernel/drivers/input/mouse.

Os kernel modernos dão-lhe a capacidade de emular um rato de três botões mesmo que o seu rato tenha apenas um botão. Apenas junte as seguintes linhas ao ficheiro /etc/sysctl.conf.

# emulação de rato de 3-botões
# ligar a emulação
/dev/mac_hid/mouse_button_emulation = 1
# Enviar o sinal de botão do meio com a tecla F11
/dev/mac_hid/mouse_button2_keycode = 87
# Enviar o sinal do botão direito do rato com a tecla F12
/dev/mac_hid/mouse_button3_keycode = 88
# Para teclas diferentes, utilize showkey para lhe dizer qual é o código.



[18] Os ratos série geralmente tm um conector em forma de D com 9 buracos; o bus rato tem um conector redondo de 8 pinos, não deve ser confundido com o conector redondo de 6 pinos de um rato PS/2 ou o conector redondo de 4 pinos de um rato ADB.