2.1. Hardware Suportado

O Debian não impõe requisitos de hardware para além do que é requerido pelo kernel Linux e pelas ferramentas GNU. Por isso qualquer arquitectura ou plataforma para a qual tenha sido portado o kernel Linux, libc, gcc, etc. e para o qual exista um port de Debian, pode correr Debian. Para mais detalhes de sistema com a arquitectura SPARC que tenham sido testados com Debian por favor veja as páginas dos Ports em http://www.debian.org/ports/sparc/.

Em vez de tentar descrever todas a configurações de hardware que são suportadas por SPARC, esta secção contém informação geral e indicações de onde se pode encontrar informação adicional.

2.1.1. Arquitecturas Suportadas

Debian 3.1 suporta onze arquitecturas de maior relevo e várias variações de cada arquitectura conhecidas por “flavors”.

Arquitectura Designação Debian Sub-arquitectura Flavor
Baseado em Intel x86 i386   vanilla
speakup
linux26
Motorola 680x0 m68k Atari atari
Amiga amiga
68k Macintosh mac
VME bvme6000
mvme147
mvme16x
DEC Alpha alpha    
Sun SPARC sparc   sun4cdm
sun4u
ARM e StrongARM arm   netwinder
riscpc
shark
lart
IBM/Motorola PowerPC powerpc CHRP chrp
PowerMac pmac
PReP prep
APUS apus
HP PA-RISC hppa PA-RISC 1.1 32
PA-RISC 2.0 64
Baseado em Intel ia64 ia64    
MIPS (big endian) mips SGI Indy/Indigo 2 r4k-ip22
r5k-ip22
Broadcom BCM91250A (SWARM) sb1-swarm-bn
MIPS (little endian) mipsel Cobalt cobalt
DECstation r4k-kn04
r3k-kn02
Broadcom BCM91250A (SWARM) sb1-swarm-bn
IBM S/390 s390 IPL a partir de VM-reader e DASD generic
IPL a partir de tape tape

Este documento aborda a instalação na arquitectura SPARC. Se está á procura de informação acerca de qualquer uma das outras arquitecturas suportadas por Debian veja a página das Conversões Debian.

2.1.2. Suporte de Processadores, Placas principais e de Vídeo

Actualmente a port sparc suporta vários tipos de sistemas Sparc. Os mais comuns identificadores para sistemas Sparc são sun4, sun4c, sun4m, sun4d e sun4u. Actualmente não suportamos o hardware sun4 mais antigo. No entanto, outros sistemas são suportados.O Sun4d fui o menos testado desses, por isso pode esperar possíveis problemas de instabilidade em relação ao kernel. Os Sun4c e Sun4m, os mais comuns do hardware Sparc mais antigo, incluindo sistemas como a SparcStation 1, 1+, IPC, IPX e a SparcStation LX, 5, 10, e 20, respectivamente. Os sistemas da classe UltraSPARC incluem-se como parte da identificação sun4u, e são suportados utilizando o conjunto de imagens de instalação sun4u. Alguns sistemas que não se incluem nestas categorias são reconhecidamente não suportados. Sistemas que são reconhecidamente não suportados incluem o AP1000 multicomputer e o Tadpole Sparcbook 1. Veja a FAQ Linux para processadores SPARC para informação completa.

2.1.2.1. Configuração de Memória

Algumas antigas estações de trabalho Sun, particularmente a Sun IPX e a SUN IPC têm bancos de memória situados em localizações fixas na memória física. Se os bancos não estiverem cheios irão existir intervalos no espaço da memória física. A instalação de Linux necessita de um bloco de memória contíguo para o qual carregar o kernel e RAMdisk inicial. Se este não estiver disponível resultará daí um “Data Access Exception”.

Logo terá que configurar a memória de modo que o bloco de memória mais baixo seja pelo menos contíguo por 8MB. No IPX e IPC citados anteriormente os bancos de memória são delimitados em áreas de 16Mb. Na prática isto significa que terá que ter um SIMM no banco zero suficientemente grande para conter a kernel e o RAMdisk. Neste caso 4Mb não é suficiente.

Exemplo: Num Sun IPX tem um SIMM de 16Mb e um SIMM de 4Mb. Existem 4 bancos para SIMM (0,1,2,3). [O banco zero é o que está mais longe dos conectores SBUS]. Logo terá que instalar o SIMM de 16Mb no banco 0; é recomendado que instalar o SIMM de 4Mb no banco 2.

2.1.2.2. Configuração dos Componentes de Gráficos

Especialmente no caso das estações de trabalho mais antigas da Sun, é normal que exista um framebuffer embutida na placa que tenha sido depreciado, (por exemplo o bwtwo no Sun IPC), e uma placa SBUS contendo um mais recente, provavelmente acelerado, buffer que é então ligado ao slot SBUS. Em Solaris/SunOS isto não causa problemas porque ambas as placas são iniciadas.

No entanto em Linux isto pode ser um problema, visto que o monitor da PROM de arranque pode direccionar a sua saída para a placa adicional; no entanto podendo ser as mensagens de kernel Linux direccionadas para o framebuffer embutido na placa, deixando nenhuma mensagem de erro no ecrã, e a máquina aparentemente encravada no carregamento do RAMdisk.

Para evitar este problema, deve conectar o monitor (se necessário) à placa de vídeo no slot SBUS mais com o número mais baixo (na motherboard a placa primeiro que os slots externos). Como alternativa pode usar uma consola série.

2.1.3. Placa Gráfica

O suporte Debian para placas gráficas é determinado sob o suporte existente no sistema X11 da XFree86. A maioria das placas de vídeo AGP, PCI e PCIe trabalham com XFree86. Detalhes sobre barramentos gráficos, placas, monitores e dispositivos apontadores suportados podem ser encontrados em http://www.xfree86.org/. Debian 3.1 vem com XFree86 versão 4.3.0.

2.1.4. Múltiplos Processadores

Suporte para múltiplos processadores — também conhecido por “symmetric multi-processing” ou SMP — é suportado nesta arquitectura. No entanto a imagem padrão de kernel da Debian 3.1 não suporta SMP. Isto não deve impedir a instalação, visto que o kernel padrão, não SMP deve arrancar em sistemas SMP; o kernel vai simplesmente utilizar o primeiro CPU.

Para tirar proveito dos vários processadores, você terá de substituir o kernel Debian padrão. Pode encontrar uma discussão de como fazer isto em Secção 8.4, “Compilando um Novo Kernel”. Nesta altura (kernel versão 2.4.27) a maneira de activar o SMP é seleccionar “Symmetric multi-processing support” na secção “General setup” da configuração da kernel.