[ anterior ] [ Resumo ] [ Nota dos Direitos de Autor ] [ Índice ] [ próximo ]

Instalando Debian GNU Linux 2.1 para Intel x86 - Capítulo 2
Requerimentos do Sistema


Esta seção contém informações sobre qual hardware você precisa para instalar a Debian. Você sempre encontrará links para procurar detalhes sobre hardwares suportados pela GNU e Linux.


2.1 Hardware suportado

Debian não impõe requerimentos do sistema além dos requerimento do Kernel do Linux e da GNU tool-sets. Então, qualquer arquitetura ou plataforma no qual o Kernel do Linux, libc, gcc, etc, for adaptado, e no qual a Debian ofereça suporte, pode executar a Debian.

Existem, no entanto, muitas limitações em seu disquete de inicialização a respeito de hardwares suportados. Muitas plataformas suportadas pelo Linux não são suportadas por nossos discos de boot. Se este é seu caso, você deverá criar um disco de recuperação personalizado, ou verificar as instalações da rede.

Além das diferentes configurações de hardwares com suporte para Intel x86, esta seção contém informações gerais e referências para que detalhes adicionais sejam encontrados.


2.1.1 Arquiteturas suportadas

Debian 2.1 suporta quatro arquiteturas: Arquitetura baseadas no Intel x86; Máquinas Motorola 680x0 como o Atari, Amiga e Macintoshes; máquinas DEC Alpha e Máquinas Sun SPARC. Estas se referem a i386, m68k, Alpha e Sparc respectivamente.

Este documento abrange a instalação para a arquitetura i386. Versões separadas deste documento existem para outras arquiteturas.


2.1.2 CPU, Placa mãe, e suporte de Vídeo.

Mais detalhes sobre o suporte de periféricos pode ser encontrado em Linux Hardware Compatibility HOWTO. Esta seção traz somente o básico.

Atualmente todos os processadores baseados no x86 são suportados; isto também inclui processadores AMD e Cyrix. No entanto, Linux não é executado em processadores 286 ou anteriores.

O barramento do sistema é a parte da placa mãe que permite que a CPU se comunique com os periféricos, como os dispositivos de armazenamento. Seu computador deve ter o barramento ISA, EISA, PCI, a Arquitetura Microcanal (MCA, usada na linha IBM's PS/2), ou VESA Local Bus (VLB, muitas vezes chamado de VL bus).

Notebooks são compatíveis. Notebooks são muito específicos ou possuem hardwares proprietários. Para ver se seu Notebook trabalha corretamente com GNU/Linux, veja o Linux Laptop pages.

Você deve utilizar uma placa compatível com VGA para o terminal console. Atualmente todos os monitores modernos são compatíveis com VGA. Padrões antigos como CGA, MDA ou HGA também funcionarão, assumindo que você não precisará do suporte ao X11. Note que o X11 não é utilizado durante o processo de instalação descrito neste documento.

O suporte da Debian para interfaces gráficas é determinado pelo suporte encontrado no sistema XFree86's X11. Os novos slots de vídeo AGP são atualmente uma modificação da especificação PCI, e muitas placas AGP trabalham com XFree86. Detalhes sobre suporte a barramentos gráficos, placas, monitores e dispositivos apontadores pode ser encontrado em http://www.xfree86.org/. Debian 2.1 vem com X11 revisão 3.3.2.3a.


2.1.3 Processadores múltiplos

Suporte a múltiplos processadores -- também chamado de "simmetric multi-processing" ou SMP -- é suportado nesta arquitetura. No entanto, o kernel padrão que acompanha a Debian 2.1 não possui este suporte. Isto não traz problemas na instalação, caso a instalação seja feita em um sistema que possui suporte a SMP, o kernel simplesmente utilizará a primeira CPU.

Para utilizar as vantagens de múltiplos processadores, você deverá substituir o kernel padrão que acompanha o Debian. Verifique como fazer isto em Compilando um novo Kernel, Secção 8.4. Neste ponto (kernel versão 2.0.36) o meio para ativar o SMP é editando o arquivo Makefile do diretório superior do kernel e descomentando a linha que diz SMP=1. Se você compilar os programas em sistemas com multiprocessadores, veja a opção -j na documentação do make(1).


2.2 Meios de Instalação

Existem quatro meios de instalação que podem ser utilizados com a Debian: Disquetes, CD-ROMs, partição de disco local, ou pela rede. Diferentes partes da instalação da Debian podem ser usadas utilizando estes diferentes meios de instalação; nós falaremos sobre isto em Métodos para instalar a Debian, Capítulo 5.

A instalação mais comum é a feita através de discos flexíveis, embora geralmente, menos recomendada. Em muitos casos, você deverá fazer o primeiro boot através de disquetes, usando o Rescue Floppy. Geralmente, tudo o que precisa é de uma unidade de disquetes de alta densidade (1440 kilobytes) 3.5 polegadas. A instalação através de Disquetes de (1200 Kilobytes) 5.25, também está disponível.

A instalação através de CD-Rom é suportada em muitas arquiteturas. Em máquinas que suportam CD-Roms inicializáveis, você provavelmente terá uma instalação muito facilitada. Caso seu sistema não suportar a inicialização pelo CD-Rom, você pode usar o CD-Rom em conjunto com outras técnicas para instalar seu sistema, após inicializar através de outros meios, veja Instalando a partir de um CD-Rom, Secção 5.4.

Ambos CD-Roms IDE/ATAPI e SCSI são suportados. Em adição, todas interfaces de CD-Roms não padrões suportadas pelo Linux são suportadas pelo disco de inicialização (como unidades Mitsumi e Matsushita). No entanto, estes modelos requerem parâmetros especiais de inicialização ou outros meios para funcionarem, e a não inicialização destas interfaces não-padrões é desconhecida. O Linux CD-Rom HOWTO contém informações detalhadas de como utilizar um CD-Rom com Linux.

Instalação através de um disco rígido local é outra opção. Se você tiver o espaço livre nesta partição maior que o espaço que será ocupado pela sua instalação, esta é definitivamente uma boa opção. Muitas plataformas sempre tem instaladores locais, i.e., para boot através do AmigaOS, TOS, ou MacOS.

A última opção é a instalação pela rede. Você pode instalar seu sistema via NFS. Após seu sistema básico ser instalado, pode-se instalar o resto do seu sistema por diversas conexões de rede (incluindo PPP), via FTP, HTTP, ou NFS.

A Descrição completa destes métodos, e dicas úteis para escolher qual método é melhor para você, pode ser encontrado em Métodos para instalar a Debian, Capítulo 5. Por favor continue lendo o documento para ter certeza que os dispositivos que você deseja inicializar e instalar são suportados pelo sistema de instalação da Debian.


2.2.1 Sistema de armazenamentos suportados

Os discos de inicialização da Debian contém um kernel que é criado para funcionar com a maioria dos sistemas. Infelizmente, isto faz o kernel grande, com vários drivers que nunca serão usados (veja Compilando um novo Kernel, Secção 8.4, para aprender a construir seu próprio). No entanto, suporte para diversos tipos de dispositivos é feito para o sistema Debian ser instalado nos mais diversos tipos de hardwares.

Geralmente, o sistema de instalação da Debian inclui suporte para disquetes, drives IDE, disquetes IDE, dispositivos IDE de porta paralela, controladoras e drives SCSI. Os sistemas de arquivos suportados incluem MINIX, FAT, extensões FAT Win-32 (VFAT), entre outros. (note que o NTFS não é suportado pelo sistema de instalação; você pode inclui-lo mais tarde, como descrito em Compilando um novo Kernel, Secção 8.4).

Ao invés de tentar descrever os hardwares suportados, é muito mais fácil descrever os hardwares que não são suportados pelo sistema de boot (inicialização) da Debian.

As interfaces de disco que emulam a interface de disco "AT" que são normalmente chamadas de MFM, RLL, IDE ou ATA são suportadas. Discos rígidos muito antigos de 8 bits usados nos computadores IBM XT são suportados somente através de módulos. Controladores de disco SCSI de diversos fabricantes são suportados. Veja o HOWTO de Hardwares compatíveis com Linux para mais detalhes.

Não são suportados drives IDE SCSI e muitos controladores SCSI, incluindo:


2.3 Requerimentos de memória e espaço em disco

Seu computador deve possuir, no mínimo, 4MB de memória RAM e 35MB de disco rígido. Se você quiser instalar alguns dos programas da distribuição, incluindo o sistema X-Window, e muitos programas de desenvolvimento e bibliotecas, você precisará no mínimo de 300MB. Para uma instalação mais ou menos completa, você precisará ter em torno de 800MB. Para instalar tudo disponível na Debian, você provavelmente precisará ter em torno de 2GB. Atualmente, não faz muito sentido instalar tudo, desde que alguns pacotes entrem em conflito com outros.


2.4 Periféricos e outros Hardwares

Linux suporta uma larga variedade de dispositivos de hardware como mouses, impressoras, scanners, modems, placas de rede, dispositivos PCMCIA, etc. No entanto, nenhum destes dispositivos são requeridos no momento da instalação do sistema. Esta seção contém informações específicas sobre dispositivos não suportados pelo sistema de instalação, embora sejam suportados pelo Linux. Veja outra vez, o HOWTO de hardwares compatíveis com Linux para determinar se seu hardware específico é suportado pelo Linux.

Muitas placas de rede (NICs) não são suportados pelos disquetes de instalação da Debian (embora o kernel personalizado possa suporta-las), como a placa AX.25 e protocolos; 3Com EtherLink Plus(3c505) e EtherLink16(3c507); placas NI5210 ; placas genéricas NE2100; placas NI6510 NI16510 EtherBlaster; placas SEEQ 8005; placas Schneider & Kock G16; Ansel Communications EISA 3200; e a placa Zenith Z-Note built-in network. Placas de rede Microchannel (MCA) não são suportadas pelo sistema de instalação padrão, mas veja Linux em imagens de disco MCA para imagens não oficiais, e a Discussão de arquivos Linux MCA. Redes FDDI não são suportadas pelos disquetes de instalação, ambos placas e protocolos.

Como para ISDN, o protocolo D-channel para Alemanha 1TR6 não é suportado; placas Speelcaster BRI ISDN não são suportadas pelo disquete de inicialização.

Dispositivos de som não estão disponíveis, por padrão. .


2.5 Obtendo hardwares específicos para GNU/Linux

Existem diversos vendedores, agora, que vendem sistemas com Debian ou outras distribuições do GNU/Linux pré-instalados. Você pode pagar mais para ter este privilégio, mas compra um nível de paz de mente, desde então você pode ter certeza que seu hardware é bem compatível com GNU/Linux. Se você tiver que comprar uma máquina com Windows instalado, leia cuidadosamente a licença que acompanha o Windows; você pode rejeitar a licença e obter um desconto de seu vendedor. Veja http://www.linuxmall.com/refund/ para detalhes completos.

Se não estiver comprando um computador com Linux instalado, ou até mesmo um computador usado, é importante verificar se os hardwares existentes são suportados pelo kernel do Linux. Verifique se seu hardware é listado nas referências acima. Deixe seu vendedor (se conhecer) saber que o que está comprando é para um sistema Linux. Apoie vendedores de hardwares amigos do Linux.


2.5.1 Evite proprietários ou hardwares fechados

Muitos fabricantes de hardwares simplesmente não nos dizem como escrever drivers para seus hardwares. Outros não nos permitem acesso a documentação sem um acordo de não revelação que iria nos prevenir de lançar no código fonte do Linux. Um exemplo é o Laptop IBM DSP sound system usado nos sistemas ThinkPad recentes - muitos destes sistemas possuem sistemas de som com o modem. Outro exemplo é o hardware proprietário na linha antiga do Macintosh.

Desde então não tivemos acesso a documentação destes dispositivos, e eles simplesmente não funcionam com o Linux. Você pode ajudar perguntando aos fabricantes de tal hardware que lancem a documentação. Se muitas pessoas perguntarem, eles vão notar que o Linux possui um bom mercado.


2.5.2 Hardware Específico do Windows

Uma tendência que pertuba é a proliferação de Modems e impressoras específicos para Windows. Em muitos casos estes são especialmente fabricados para operar com o Sistema Operacional Microsoft Windows e costumam ter a legenda WinModem, for Windows, ou Feito especialmente para computadores baseados no Windows. Geralmente isto é feito retirando-se os processadores embutidos daquele hardware e o trabalho deles são feitos por drivers do Windows que são executados pelo processador principal do computador. Esta estratégia faz o hardware menos expansível, mas o que é poupado não é passado para o usuário e este hardware pode até mesmo ser mais caro quanto dispositivos equivalentes que possuem inteligência embutida.

Voce deve evitar o hardware baseado no Windows por duas razões:

  1. A primeiro é que aqueles fabricantes geralmente não fazem os recursos disponíveis para criar um driver para Linux. Geralmente, o hardware e a interface de software para o dispositivo é proprietária, e a documentação não é disponível sem o acordo de não revelação, se ele estiver disponível. Isto impede seu uso como software livre, desde que os escritores de software grátis descubram o código fonte destes programas.
  2. A segunda razão é que quando estes dispositivos tem os processadores embutidos removidos, o sistema operacional deve fazer o trabalho dos processadores embutidos, freqüentemente em prioridade de tempo real, e assim a CPU não esta disponível para executar programas enquanto ela esta controlando estes dispositivos. Assim o usuário típico do Windows não obtem um multi-processamento tão intensivo como um usuário do Linux, o fabricante espera que aquele usuário do Windows simplesmente não note a carga de trabalho que este hardware põe naquela CPU. No entanto, qualquer sistema operacional de multi-processamento, até mesmo Windows 95 / 98 ou NT, são prejudicados quando fabricantes de periféricos retiram o processador embutido de suas placas e colocam o processamento do hardware na CPU.

Você pode reverter esta situação encorajando estes fabricantes a lançarem a documentação e outros recursos necessários para nós desenvolvermos drivers para estes hardwares, mas a melhor estratégia é simplesmente evitar estes tipos de hardwares até que ele esteja listado no HOWTO de hardwares compatíveis com Linux.


2.5.3 Paridade Falsa ou RAM com paridade "virtual"

Se você perguntar por paridade de memória RAM em uma loja de computadores, provavelmente obterá módulos de memória com paridade virtual ao invés de uma memória com checagem de paridade verdadeira. SIMM's com paridade virtual podem freqüentemente (mas nem sempre) ser distinguidas porque elas possuem um chip a mais do que uma memória SIMM sem paridade, e aquele chip extra é mais pequeno que os outros. A memória SIMM com paridade virtual, trabalha exatamente como a memória sem paridade. Elas não lhe avisam quando ocorre um erro em um bit de RAM como na memória SIMM com paridade verdadeira em uma placa mãe que implementa paridade. Nunca pague mais por uma SIMM com paridade virtual do que por uma memória sem paridade. Espere sempre pagar um pouco mais por uma memória SIMM com paridade verdadeira, porque você esta atualmente comprando um bit extra de memória para cada 8 bits.

Se você deseja informações completas sobre o assunto RAM Intel x86, e qual é a melhor RAM a comprar, veja PC Hardware FAQ.


[ anterior ] [ Resumo ] [ Nota dos Direitos de Autor ] [ Índice ] [ próximo ]
Instalando Debian GNU Linux 2.1 para Intel x86
versão 2.1.11, 28 August, 1999
Bruce Perens
Sven Rudolph
Igor Grobman
James Treacy
Adam Di Carlo