Capítulo 2. O que há de novo na Debian GNU/Linux 6.0

Índice

2.1. O que há de novo na distribuição?
2.1.1. CDs, DVDs e BDs
2.1.2. Firmware movido para a secção non-free
2.1.3. Gestão de pacotes
2.1.4. Arranque em dependências
2.1.5. Definições de teclado unificadas
2.1.6. Definição do modo de kernel
2.1.7. suporte a LDAP
2.1.8. A secção stable-updates
2.1.9. backports.org/backports.debian.org
2.2. Debian Live
2.3. Suporte compreensivo para pesquisa de neuro-imagem

O Wiki tem mais informação acerca deste tópico.

Este lançamento abandona o suporte oficial para as arquitecturas HP PA-RISC ('hppa'), Alpha ('alpha') e ARM ('arm').

Seguem-se as arquitecturas suportadas oficialmente pela Debian GNU/Linux squeeze:

Adicionalmente às arquitecturas oficialmente suportadas, Debian GNU/Linux squeeze introduz os portes de GNU/kFreeBSD ('kfreebsd-amd64' e 'kfreebsd-i386') como uma previsão tecnológica. Estes portes são os primeiros incluídos num lançamento Debian que não são baseados no kernel Linux, mas em vez disso usam o kernel FreeBSD com uma 'userland' do GNU. No entanto os utilizadores destas versões deverão ser avisados que a qualidade destes portes ainda está a caminho de atingir a espantosa alta qualidade dos nossos portes de Linux, e algumas funcionalidades avançadas de ambiente de trabalho ainda não são suportadas. No entanto, o suporte de software servidor comum é forte e estende as funcionalidades das versões Debian baseadas em Linux pelas funcionalidades únicas conhecidas do mundo BSD. Esta é a primeira vez que uma distribuição de Linux foi estendida para também permitir o uso de um kernel não-Linux.

Pode ler mais acerca do estado do 'port', bem como informação específica do 'port' para a sua arquitectura nas páginas web dos 'port' Debian.

2.1. O que há de novo na distribuição?

Este novo lançamento Debian vem mais uma vez com muito mais software do que o seu predecessor lenny; a distribuição inclui mais de 10352 novos pacotes, num total de mais de 29050 pacotes. A maior parte do software na distribuição foi actualizado: mais de 15436 pacotes de software (isto é 67% de todos os pacotes na lenny). Além disso, um número significativo de pacotes (mais de 4238, 18% dos pacotes na lenny) foram removidos da distribuição por várias razões. Não verá quaisquer actualizações para estes pacotes e estes serão marcados como obsoletos nos 'frontends' de gestão de pacotes.

Com este lançamento, Debian GNU/Linux actualiza do X.Org 7.3 para X.Org 7.5.

Debian GNU/Linux é mais uma vez lançado com vários ambientes de trabalho e aplicações. Entre outros agora inclui o ambiente de trabalho GNOME 2.30[1], KDE 4.4.5, Xfce 4.6.2, e LXDE 0.5.0. As aplicações de produtividade foram também actualizadas, incluindo os conjuntos de escritório OpenOffice.org 3.2.1 e KOffice 2.2.1 assim como o GNUcash 2.2.9, GNUmeric 1.10.8 e Abiword 2.8.2.

As actualizações de outras aplicações de ambiente de trabalho incluem a actualização para Evolution 2.30.3 e Pidgin 2.7.3. A suite Mozilla também foi actualizada: iceweasel (versão 3.5.13) é a versão 'sem-marca' do navegador web Firefox e icedove (versão 3.0.7) é a versão 'sem-marca' do cliente de mail Thunderbird.

Entre muitas outras, este lançamento também inclui, as seguintes actualizações de software:

PacoteVersão em 5.0 (lenny)Versão em 6.0 (squeeze)
Apache2.2.92.2.16
BIND Servidor DNS9.6.09.7.1
Cherokee servidor web0.7.21.0.8
Courier MTA0.60.00.63.0
Dia0.96.10.97.1
Ekiga Cliente de VoIP2.0.123.2.7
Exim servidor predefinido de email4.694.72
GNU Compiler Collection como compilador predefinido 4.3.24.4.5
GIMP2.4.72.6.10
a GNU biblioteca C2.72.11.2
lighttpd1.4.191.4.28
maradns1.3.07.091.4.03
MySQL5.0.51a5.1.49
OpenLDAP2.4.112.4.23
OpenSSH5.1p15.5p1
PHP5.2.65.3.2
Postfix MTA2.5.52.7.1
PostgreSQL8.3.58.4.5
Python2.5.22.6.6
Samba3.2.53.5.5
Tomcat5.5.266.0.28

A Debian ainda suporta a Linux Standards Base (LSB), versão 3.2.

2.1.1. CDs, DVDs e BDs

A distribuição oficial Debian GNU/Linux agora é lançada em 7 a 8 DVDs binários ou 44 a 53 CDs binários (dependendo da arquitectura) e 6 DVDs de código fonte ou 33 CDs de código fonte. Adicionalmente existe um DVD multi-arch, com um subconjunto do lançamento para as arquitecturas amd64 e i386, e o código fonte. Debian GNU/Linux é também lançada como imagens (BD), 2 para cada das arquitecturas amd64 e i386, e uma para o código-fonte. Por razões de tamanho, alguns pacotes muito grandes foram omitidos das compilações de CD; estes pacotes enquadram-se melhor nas compilações de DVD e BD, por isso são assim incluidas nesses.

Uma nova funcionalidade com o squeeze é a adição do suporte isohybrid aos CDs, DVDs e BDs de i386 e amd64 Para fazer uma caneta USB de arranque com estas imagens normalmente significava ter de executar alguns procedimentos extra após obter a imagem; em vez disso, agora tudo o que é necessário fazer é simplesmente escrever a imagem numa caneta USB. Para mais informação por favor veja a secção Preparar Ficheiros para Arrancar a partir de Canetas USB no Guia de Instalação.

2.1.2. Firmware movido para a secção non-free

Algumas drivers incluídas no kernel Linux continham pedaços de firmware não-livre. A partir de squeeze este firmware foi movido para pacotes separados na secção non-free do arquivo, como o firmware-linux. Se tais pacotes forem instalados, o firmware será carregado automaticamente quando necessário.

2.1.3. Gestão de pacotes

O programa preferido para gestão de pacotes interactiva a partir de um terminal é o aptitude. Para uma interface de linha de comandos não interactiva para gestão de pacotes, é recomendado usar o apt-get. O apt-get é também a ferramenta preferida para actualizações entre grandes lançamentos. Se você ainda está a usar o dselect, você deverá mudar para o aptitude como o frontend oficial para gestão de pacotes.

Para squeeze o APT instala automaticamente os pacotes recomendados por predefinição[2]. Isto pode ser alterado ao adicionar a seguinte linha em /etc/apt/apt.conf:

APT::Install-Recommends "false";

2.1.4. Arranque em dependências

Uma melhoria importante no sistema de arranque Debian GNU/Linux é a introdução da sequência de arranque baseada em dependências e arranque paralelo. Esta funcionalidade é activada por predefinição nas novas instalações e será activada para actualizações a partir de lenny, se possível.

Esta funcionalidade é activada através do uso do insserv pelo sysv-rc para ordenar os scripts init.d baseando-se nas suas dependências declaradas[3]. Foi possível após um esforço sustentado adaptar todos os scripts de arranque dos pacotes disponibilizados na distribuição assim como o arranque do próprio sistema.

Com a sequência de arranque baseada em dependências é também possível correr os scripts de arranque do sistema em paralelo o que pode, na maioria das circunstâncias, melhorar a velocidade do processo de arranque. Esta funcionalidade está activada por predefinição nos novos sistemas e actualizações, sempre que possível. Para a desactivar, especifique

CONCURRENCY=none

em /etc/default/rcS. Para mais informação sobre esta funcionalidade consulte a informação disponível em /usr/share/doc/insserv/README.Debian.

2.1.5. Definições de teclado unificadas

Neste lançamento, as definições do teclado foram unificadas para que ambos a consola e o servidor Xorg usem as mesmas definições. As definições do teclado são agora definidas no ficheiro de configuração /etc/default/keyboard o que sobrepõe o teclado definido no ficheiro de configuração do Xorg.

O pacote console-setup agora gere o teclado para ambos os ambientes assim como a configuração do tipo de letra para a consola. Você pode reconfigurar a disposição do teclado e definições relacionadas ao executar dpkg-reconfigure keyboard-configuration ou editando manualmente o ficheiro de configuração /etc/default/keyboard.

2.1.6. Definição do modo de kernel

O código de definição do modo gráfico para os chipsets dos computadores mais comuns (desde Intel, ATI/AMD e NVIDIA) foi movido das drivers Xorg respectivas para o kernel Linux. Isto disponibiliza várias vantagens, tais como:

  • Suspensão e resumo de maior confiança

  • Habilidade de usar dispositivos gráficos sem o X

  • Mudança de VT mais rápida

  • Consola de texto de modo nativo

Mais detalhes em Secção 5.7, “Mudanças do stack Gráfico” e em O wiki Debian.

2.1.7. suporte a LDAP

Este lançamento Debian vem com várias opções para implementar autenticação do lado do cliente usando LDAP. Os utilizadores dos pacotes libnss-ldap e libpam-ldap devem consideram actualizar para libnss-ldapd e libpam-ldapd.

Estes novos pacotes delegam as consultas do LDAP a um daemon central sem privilégios (nslcd) que disponibiliza a separação entre o processo que usa a informação do LDAP e o daemon que executa as consultas do LDAP queries. Isto simplifica o manuseamento das ligações LDAP seguras, as credenciais de autenticação do LDAP, disponibiliza um mecanismo simples para executar ligação sobre-falha e depuração e evita carregar o LDAP e as bibliotecas relacionadas na maioria das aplicações.

Actualizar para libnss-ldapd e libpam-ldapd deverá ser fácil pois a informação de configuração existente será reutilizada na maioria. Apenas para configuração avançada deverá ser necessário alguma reconfiguração manual.

No entanto a estes pacotes falta actualmente o suporte para grupos aninhados (nested) e apenas suportam alteração da palavra-passe usando a operação EXOP de mudança de palavra-passe do LDAP.

2.1.8. A secção stable-updates

Alguns pacotes de proposed-updates também pode estar disponíveis via mecanismo squeeze-updates. Este caminho será usado para actualizações que muito utilizadores possam desejar instalar nos seus sistemas antes do próximo lançamento pontual ser feito, tal como actualizações a sondas de vírus e dados de zona horária. Todos os pacotes de squeeze-updates serão incluídos em lançamentos pontuais.

Note que isto substitui a funcionalidade anteriormente disponibilizada pelo arquivo volatile.debian.org.

De modo a usar pacotes de squeeze-updates, você pode adicionar uma entrada ao seu sources.list:

deb     http://mirrors.kernel.org/debian squeeze-updates main contrib
deb-src http://mirrors.kernel.org/debian squeeze-updates main contrib

Da próxima vez que correr apt-get update, o sistema irá ver os pacotes na secção squeeze-updates e irá considerá-los quando procurar por pacotes para actualizar.

Note that if APT::Default-Release is set in your /etc/apt/apt.conf (or in any of /etc/apt/apt.conf.d/*), then, in order for automatic upgrades to work, it is necessary to add the following configuration block into /etc/apt/preferences (see apt_preferences(5) for more information):

Package: *
Pin: release o=Debian GNU/Linux,n=squeeze-updates
Pin-Priority: 990

Quando um novo pacote fica disponível via squeeze-updates, será anunciado na lista de mail debian-stable-announce.

2.1.9. backports.org/backports.debian.org

O serviço disponibilizado pelos repositórios backports.org foram integrados na infraestrutura Debian e é agora um serviço oficial Debian, alojado em backports.debian.org.

2.2. Debian Live

Com squeeze Debian apresenta sistemas oficiais Live para as arquitecturas amd64 e i386.

Um sistema Debian Live é um sistema Debian que pode arrancar directamente de uma média amovível (CD-ROMs, DVDs, pens USB) ou desde outro computador por uma rede sem a necessidade de instalação. As imagens são produzidas por uma ferramenta chamada live-build, a qual permite ser usada para facilmente criar imagens live personalizadas. Mais informação acerca do projecto Debian Live pode ser encontrada em http://live.debian.net/.

2.3. Suporte compreensivo para pesquisa de neuro-imagem

Debian GNU/Linux 6.0 é a primeira distribuição de GNU/Linux alguma vez lançada a oferecer suporte compreensivo para pesquisa de neuro-imagens baseadas em imagens de ressonância magnética (MRI). Vem com software actual para análise de imagens estruturais (ex. ants), imagem de difusão e tractografia (ex. mrtrix), entrega stimulus (ex. psychopy), desenvolvimento de sequência MRI (ex. odin), assim como um número de suites versáteis de processamento de dados e análises (ex nipype). Mais ainda, este lançamento tem suporte embutido para todos os formatos principais de dados de neuro-imagem. Veja as página de tarefas Ciência Debian e Medicina Debian para uma lista compreensiva do software incluído e a página web NeuroDebian para mais informação.



[1] Com alguns módulos vindos do GNOME 2.32.

[2] Esta alteração implica que os requisitos de disco para as tarefas seleccionadas através do instalador debian também tenham aumentado. Para mais informação por favor veja o capítulo Espaço de Disco Necessário para Tarefas no Guia de Instalação.

[3] Estas dependências são declaradas através do uso do formato de cabeçalho especificado na Base Standard de Linux (LSB).