[ anterior ] [ Índice ] [ 1 ] [ 2 ] [ 3 ] [ 4 ] [ 5 ] [ 6 ] [ 7 ] [ 8 ] [ 9 ] [ 10 ] [ 11 ] [ próximo ]

Instalando Debian GNU Linux 2.2 para ARM
Capítulo 7 - Usando dbootstrap para configuração inicial do sistema


7.1 Introdução ao dbootstrap

dbootstrap é o nome do programa que é executado após o sistema de instalação ser iniciado. Ele é responsável pelas configurações e a instalação do "sistema básico".

O principal objetivo do dbootstrap e o principal motivo da configuração inicial do sistema, é a configuração de certos elementos de seu sistema. Por exemplo, pode ser necessário usar certos "módulos do kernel" que são controladores ligados ao kernel. Estes módules incluem hardwares de armazenamento, drivers de rede, suportes especiais a línguas, e suporte a outros periféricos que não estão embutidos no kernel que está usando.

O particionamento de Disco, formatação e configuração de rede também são feitos pelo dbootstrap. Esta configuração fundamental é feito primeiro, pois pode ser necessária para o funcionamento e execução de outras etapas de instalação da Debian.

dbootstrap é uma simples aplicação baseada em caracteres (muitos sistemas não possuem capacidades gráficas). Ele é muito fácil de usar; geralmente, ele sempre lhe guiará durante cada passo do processo de instalação de forma linear. Você pode voltar ou repetir um passo se você encontrar algum erro.

A navegação pelo dbootstrap é feita com as setas do teclado, Enter e Tab.


7.1.1 Usando o Interpretador de Comandos e visualizando os Logs

Se você é um usuário experiente do Unix ou Linux, pressione Alt esquerdo-F2 para acessar o segundo console virtual. Que é a tecla Alt que fica do lado esquerdo da barra de espaço, e a tecla de função F2, ao mesmo tempo. Esta é uma janela separada executando um shell clone chamado de ash. Neste ponto você terá inicializado pela unidade de disco RAM, e existem utilitários limitados de Unix disponíveis para seu uso. Você pode ver quais programas estão disponíveis com o comando ls /bin /sbin /usr/bin /usr/sbin. Use os menus para fazer qualquer tarefa que estiver disponível -- o shell e comandos estão aqui somente para usar caso der alguma coisa errada. Em particular, você sempre deverá utilizar os menus (não o shell) para ativar sua partição swap, porque o programa do menu não detecta que você concluiu isto através do shell. Pressione Alt esquerdo e F1 para voltar para o menu. O Linux possui mais de 64 consoles virtuais, embora o disquete de inicialização utilize somente poucos deles.

Mensagens de erro são redirecionadas para o terceiro terminal virtual (conhecido como tty3). Você pode acessar este terminal pressionando Alt esquerdo e F3 (segure a tecla Alt enquanto pressiona a tecla de função F3); volte para dbootstrap com Alt esquerdo e F1.

Estas mensagens também podem ser lidas de /var/log/messages. Após a instalação, este arquivo é copiado para /var/log/installer.log.


7.2 ``Notas de Lançamento''

A primeira tela que o dbootstrap lhe mostrará é a ``Notas de Lançamento''. Esta tela mostra informações de versão do pacote boot-floppies que está usando e oferece uma breve introdução sobre os Desenvolvedores da Debian.


7.3 ``Menu Principal de Instalação - Sistema Debian GNU/Linux''

Você verá uma caixa de diálogo que diz ``O programa de instalação está determinando o estado atual de seu sistema e o próximo passo de instalação que deverá ser executado.''. Em muitos sistemas, esta mensagem é mostrada muito rápido para ser lida. Você verá esta caixa de diálogo entre os passos do menu principal. O programa de instalação, dbootstrap, checará o estado do seu sistema entre cada passo. Esta checagem permite a você reiniciar a instalação sem perder o trabalho já concluído, caso tiver que interromper o sistema na metade do processo de instalação. Se você tiver que reiniciar a instalação, você deverá reconfigurar o teclado, reativar sua partição swap, e remontar quaisquer discos que tenha inicializado. Qualquer coisa feita com o sistema de instalação será salvo.

Durante todo o processo de instalação, sempre será mostrado o menu principal, entitulado ``Menu Principal de Instalação - Sistema Debian GNU/Linux'' As opções no topo do menu são alteradas para indicar seu progresso durante a instalação do sistema. Phil Hughes escreveu no Linux Journal que você pode ensinar uma galinha a instalar a Debian! Ele quiz dizer que durante o processo de instalação estava a maior parte bicando a tecla Enter. A primeira escolha no menu de instalação será a próxima ação que você deverá executar de acordo com o que o sistema detectou que está concluído. Ele diz ``Próximo'', e será levado ao próximo passo do sistema de instalação.


7.4 ``Configurar o Teclado''

Verifique se a barra luminosa está no item ``Próximo'', e pressione Enter para ir até o menu de configuração de teclado. Selecione o teclado conforme o tipo que utiliza para sua linguagem nacional, se seu tipo de teclado não for listado, selecione *something close*. Uma vez que o sistema de instalação for concluído, você poderá selecionar um tipo de teclado através de várias opções (execute kbdconfig como root quando completar a instalação).

Mova a barra luminosa para a seleção de teclado que desejar e pressione Enter. Use as setas de teclado para mover a barra luminosa -- elas estão sempre no mesmo lugar em todos os padrões de teclados nacionais, assim as setas são independentes da configuração de teclado.

Se você estiver instalando em uma estação de trabalho sem o disco rígido, os próximos passos serão pulados, desde que não há discos locais para serem particionados. Neste caso, seu próximo passo será ``Configurar a Rede'', Secção 7.13. Após isto, você será perguntado para montar sua partição NFS root em ``Montar uma Partição Linux já Inicializada'', Secção 7.10.


7.5 Pré-Carregar Controladores

Em raras situações pode ser necessário pré-carregar os controladores do kernel da unidade de disquete. Geralmente você pode ignorar esta alternativa.


7.6 Última Chance!

Nós lhe dissemos para fazer a cópia de segurança de seus discos? Agora é sua primeira chance de apagar todos os dados em seu disco, e sua última chance de salvar seu antigo sistema. Se você não fez o backup de todos os seus discos, remova o disquete da unidade, reinicie o computador, e faça os backups.


7.7 ``Particionar o Disco Rígido''

Se você não particionou seus discos rígidos com o sistema de arquivos Linux native e Linux swap, i.e., como descrito em Particionando antes da instalação, Secção 4.6, o próximo passo será ``Particionar o Disco Rígido''. Se você já criou no mínimo uma partição Linux native e uma partição de disco Linux swap, a próxima opção do menu será ``Inicializar e Ativar uma Partição Swap'', ou você poderá pular este passo se o seu sistema tem pouca memória e caso tenha ativado a partição swap quando o sistema foi iniciado. Se estiver na seleção de menu ``Próximo'', você pode usar a seta para baixo para selecionar ``Particionar o Disco Rígido''.

O item de menu ``Particionar o Disco Rígido'' mostra a você uma lista de discos rígidos que você pode particionar, e executar o programa de particionamento. Você deve criar no mínimo uma partição de disco "Linux native" (tipo 83) e você provavelmente precisará de uma partição "Linux swap" (tipo 82), como explicado em Particionando seu disco rígido, Capítulo 4. Se você tem dúvida sobre o particionamento de disco, volte e leia aquele capítulo.

Dependendo da sua arquitetura, existem diferentes programas que podem ser usados. Estes são os programas disponíveis para sua arquitetura.

fdisk
O particionador original de discos do Linux, bom para gurus; leia a página de manual do fdisk.
cfdisk
um particionador de discos simples de ser utilizado para o resto das pessoas; leia a página de manual do cfdisk.

Um destes programas será executado por padrão quando você selecionar ``Particionar o Disco Rígido''. Se o programa executado por padrão não é o que deseja, saia do particionador, vá para o shell (tty2), e digite manualmente o nome do programa que deseja usar (e argumentos se precisar). Então pule o passo ``Particionar o Disco Rígido'' no dbootstrap e continue com o próximo passo.

Uma partição swap é extremamente recomendada, mas você pode continuar sem ela se insistir, e se o sistema possuir mais que 16MB de RAM. Para instalar sem uma partição swap, selecione a opção do menu ``Continuar sem uma partição Swap''.


7.8 ``Inicializar e Ativar uma Partição Swap''

Este será o próximo item de menu uma vez que criou uma partição de disco. Se tem a opção de inicializar e ativar a nova partição swap, ativar uma partição anteriormente inicializada, e continuar sem uma partição swap. É sempre permitido re-inicializar uma partição swap, é só selecionar ``Inicializar e Ativar uma Partição Swap'' a menos que saiba seguramente o que está fazendo.

Esta opção de menu mostrará a você uma caixa de diálogo dizendo ``Selecione a partição para ativar como dispositivo swap.''. O dispositivo padrão mostrado será a partição swap que você configurou atualmente; se for, apenas pressione Enter.

Após isto você terá a opção de verificar toda a partição por blocos de discos que não podem ser lidos causados por defeitos na superfície dos discos do disco rígido. Isto é útil se você tiver um disco ou discos SCSI antigos, e nunca danifica (embora possa levar algum tempo). Discos funcionando corretamente em muitos dos sistemas modernos não precisam desta opção, como eles possuem mecanismos internos próprios para mapear blocos de discos defeituosos.

Finalmente, esta é a mensagem de confirmação, desde que a inicialização destrói todos os dados antigos da partição. Se está tudo bem, selecione ``Sim''. A tela mostrará o programa de inicialização sendo executado.


7.9 ``Inicializar uma Partição Linux''

Neste ponto, a próxima opção mostrada no menu será ``Inicializar uma Partição Linux''. Se não for ela, é porque você não completou o processo de particionamento do disco, ou você não escolheu uma das opções de menu de sua partição de troca.

Você pode inicializar uma partição Linux, ou alternativamente você pode montar uma partição inicializada anteriormente. Note que o dbootstrap não atualizará um sistema antigo sem destruí-lo. Se você está atualizando, a Debian pode usualmente atualizar-se, e você não precisará utilizar o dbootstrap. Para instruções de upgrade para a Debian 2.2, veja instruções de upgrade.

Assim, se você esta utilizando partições de disco antigas que não estão vazias, i.e. se você deseja destruir o que estiver nela, você deverá inicializa-la (que apagará todos os arquivos). Mais ainda, você deve inicializar qualquer partição que você criou no passo de particionamento de disco. Sobre a única razão para montar uma partição sem inicializa-la neste ponto é porque voce já deve ter feito grande parte do processo de instalação com as mesmas configurações dos disquetes de instalação.

Selecione a opção de menu ``Inicializar uma Partição Linux'' e monte a partição de disco /. A primeira partição que você montar e inicializar será a única montada como / (pronunciada "raíz" - em inglês "root").

Você será perguntado se deseja manter ``Compatibilidade com Kernel Linux Anterior ao 2.2'' Dizendo ``Não'' significa que não poderá executar kernels da série 2.0 ou anteriores em seu sistema, pois o sistema de arquivos ativará características que estes kernels não suportam. Se você nunca precisou executar um kernel 2.0 ou anterior em seu sistema, responda ``Não'' a questão. O padrão é ``Sim'' em nome da compatibilidade.

Você também será perguntado se deseja fazer a verificação por blocos defeituosos. O padrão é pular a verificação por blocos defeituosos, pois a verificação consome muito tempo e controladoras de disco modernas detectam e fazem a correção adequada quando encontram blocos defeituosos. No entanto, se não está certo da qualidade de sua controladora de disco, ou se tiver um sistema muito antigo, provavelmente deverá fazer a procura por blocos defeituosos.

As próximas perguntas são somente para confirmação. Você será perguntado para confirmar, pois a inicialização destruirá todos os dados em sua partição de disco, e você será perguntado se a partição deverá ser montada como / [3].

Após você montar a partição /, o próximo item de menu será ``Instalar o Kernel do Sistema e os Módulos'', a não ser que você já tenha feito vários passos da instalação. Você pode usar as setas para selecionar o item de menu para inicializar e/ou montar as partições de disco caso você tiver mais partições para configurar. Se você criou partições separadas para /var, /usr ou outros sistemas de arquivos, você pode inicializa-las e/ou monta-las agora.


7.10 ``Montar uma Partição Linux já Inicializada''

Uma alternativa para ``Inicializar uma Partição Linux'', Secção 7.9, é o passo ``Montar uma Partição Linux já Inicializada''. Use isto se você esta resumindo uma instalação que foi perdida, ou se você deseja montar partições que já foram inicializadas ou possuem dados que deseja preservar.

Se você estiver instalando em uma estação de trabalho sem disco rígido, neste ponto, você pode montar sua partição NFS root através do servidor NFS remoto. Especificamente o caminho para o servidor NFS na sintaxe NFS, isto é, nome-do-servidor-ou-IP:caminho-do-compartilhamento-do-servidor. Se voce precisar montar sistemas de arquivos adicionais também, você pode monta-los agora.

Se você ainda não configurou sua rede como descrito em ``Configurar a Rede'', Secção 7.13, então ao selecionar uma instalação NFS, será perguntado por por isso.


7.11 ``Instalar o Kernel do Sistema e os Módulos''

O próximo passo será o kernel e seus módulos em seu novo sistema.

Será lhe mostrado um menu de dispositivos de onde poderá instalar o kernel. Escolha o dispositivo apropriado de onde deseja instalar o kernel e os módulos. Lembre-se que pode utilizar qualquer módulo que está disponível e você não estará restrito a utilizar a mesma mídia que usou para a montagem (veja Métodos para instalação da Debian, Capítulo 5).

Note que as opções mostradas variam conforme o hardware que o dbootstrap detectar. Se estiver instalando através de um CD-ROM oficial, o programa deve fazer as coisas certas automáticamente.

Se estiver instalando através de um sistema de arquivos local, você terá duas opções. Selecione "disco rígido" se a partição ainda não está montada; selecione "montada" se estiver. Em ambos os cados, o sistema procurará primeiro por alguns arquivos em dists/potato/main/disks-%s/current. Se não encontrar estes arquivos, você será perguntado para selecionar ``Selecione o caminho do Repositório Debian'' -- este é o diretório dentro do disco onde você colocou os arquivos de instalação requeridos como discutido em Booting from a Hard Disk, Secção 6.3. Se você tiver os arquivos da Debian em um mirror local, você pode apontar para os diretórios onde eles existem, que é frequentemente /archive/debian. Tais arquivos são caracterizados por estruturas de diretórios tais como debian/dists/potato/main/disks-arm/current. Você pode digitar o caminho manualmente, ou usar o botão <...> para navegar na árvore do sistema de arquivos.

Continuando a discussão da instalação através de um disco local ou mídia similar (tal como NFS), você será perguntado em seguida pelo diretório atual contendo os arquivos necessários (que podem ser baseadas em sua arquitetura). Note que o sistema pode ser um pouco insistente que os arquivos apareçam na localização indicada, incluindo os subdiretórios se existirem. Veja os logs em tty3 (veja Usando o Interpretador de Comandos e visualizando os Logs, Secção 7.1.1) onde o dbootstrap registrará a localização dos arquivos que estive procurando.

Se a opção "padrão" aparecer, então você deve usar aquilo. Caso contrário, tente a opção "lista" para deixar o dbootstrap tentar encontrar os arquivos atuais por si próprio (mas repare que isto pode ser muito demorado se estiver montando através de NFS). Como último recurso, use a opção "manual" para especificar o diretório manualmente.

Se você está instalando a partir de disquetes, será preciso colocar o disquete de inicialização (que provavelmente está na unidade de disquetes), seguido do disquete de controladores.

Se você deseja instalar o kernel e módulos através da rede, você pode fazer isto usando a opção "rede" (HTTP) ou "nfs". Sua placa de rede deve ser suportada pelo kernel padrão (veja Periféricos e outros Hardwares, Secção 2.4). Se a opção "nfs" não aparecer, você precisará selecionar ``Cancelar'', e então voltar e selecionar o passo ``Configurar a Rede'' ( veja ``Configurar a Rede'', Secção 7.13). Então re-execute este passo.


7.11.1 NFS

Selecione a opção "nfs", e então passe ao dbootstrap a URL e caminho dos arquivos da Debian. O padrão normalmente funcionará bem, e em todo caso, a parte caminho é provavelmente correto para qualquer mirror Oficial da Debian, até mesmo se voce editar a parte do servidor. Você pode escolher colocar os arquivos através do servidor proxy; apenas entre com o servidor ... esta frase não está finalizada... .


7.11.2 NFS Root

Se você esta instalando em uma estação sem disco, você deve ter o configurado sua rede como descrito em ``Configurar a Rede'', Secção 7.13. Escolha a opção para instalar o kernel e módulos através do NFS. Prossiga usando a opção "nfs" como descrito acima.

Pode ser necessário realizar outros passos para outras mídias de instalação.


7.12 ``Configurar os Módulos dos Controladores de Dispositivos''

Você será primeiro perguntado se gostaria de carregar módulos adicionais do kernel fornecidos por um fornecedor. Muitos podem pular este passo, desde que não é útil se lá existem alguns módulos proprietários ou não padrões que são requeridos por seu hardware (por exemplo, para uma controladora SCSI específica). Ele buscará por módulos nos disquetes nas localizações tais como /lib/modules/misc (onde misc pode ser qualquer seção de módulo do kernel padrão. Quaisquer tais arquivos serão copiados par ao disco que você está instalando, assim eles podem ser configurados no próximo passo.

A seguir, o programa modconf será executado, que é um programa simples que mostra a seção dos módulos do kernel que lhe permite seguir passo a passo entre as dirsas seções, procurando por módulos que deseja carregar.

Nós recomendamos que você somente selecione módulos de dispositivos que são requeridos pelo processo de instalação e que não foram detectados atualmente pelo kernel. Muitas pessoas não precisam selecionar qualquer módulo do kernel.

Por exemplo, pode ser necessário carregar explicitamente o controlador de uma placa de rede da seção net, um controlador SCSI na seção scsi, ou um controlador de cdrom proprietário na seção cdrom. Os dispositivos que selecionar serão carregados automáticamente assim que o seu sistema inicializar.

Alguns módulos podem pedir parâmetros. Para ver quais parâmetros são relevantes, você terá que consultar a documentação daquele driver do kernel.

Em qualquer ponto após o sistema estar instalado, você pode reconfigurar seus módulos usando o programa modconf.


7.13 ``Configurar a Rede''

Se o sitema de instalação não detectar que você tem um dispositivo de rede disponível, você será presenteado com a opção ``Escolher o Nome do Computador''. Até mesmo se você não tiver uma rede, ou se sua conexão de rede inicia e termina automáticamente (e.g. usa dialup) sua máquina deverá ter uma nome para se identificar.

Se o sistema de instalação não detecta o dispositivo de rede, você será presenteado com o passo ``Configurar a Rede''. Se o sistema não lhe permitir executar este passo, então isto significa que ele não pode encontrar qualquer dispositivo de rede presente. Se você tiver um dispositivo de rede, que significa que provavelmente esqueceu de configurar o dispositivo no passo anterior (``Configurar os Módulos dos Controladores de Dispositivos'', Secção 7.12); retorne a este passo e procure pelos dispositivos na seção net.

Assim que entrar no passo ``Configurar a Rede'', se o sistema detectar que voce tem mais que um dispositivo de rede, você será perguntado por quais dispositivos que deseja configurar. Você pode soment econfigurar um. Após a instalação você pode configurar interfaces adicionais — veja a seção interfaces(5) na página de manual.

Em seguida, o dbootstrap perguntará a você se deseja usar um servidor DHCP ou BOOTP para configurar usa rede. Se você puder, você deve dizer ``Sim'', pois ele lhe permitirá avançar todos os outros passos no resto da próxima seção. Felizmente você deve ver a resposta ``A rede foi configurada com sucesso via DHCP/BOOTP.''. Pule para o próximo passo ``Instalar o Sistema Básico'', Secção 7.14. Se a configuração falhar, verifiqe seus cabos e mensagens de logs no tty3, ou então tente novamente configurando manualmente a rede.

Para realizar a configuração manual da rede, o dbootstrap perguntará algumas questões sobre sua rede; preencha as respostas de Informações que precisa saber, Secção 3.2. O sistema também fará um resumo de sua configuração de rede e lhe perguntará pela confirmação. A seguir, você precisará especificar os dispositivos de rede que sua conexão primária de rede usa. Normalmente, ela será ``eth0'' (o primeiro dispositivo Ethernet).

Você precisará de muitos detalhes técnicos, ou talvez não, tenha em mãos: o programa assume que o endereço IP da rede é o bitwise, e seu endereço IP e sua mascara de rede. Ele adivinhará se o endereço broadcast é o biwise ou de seu endereço IP do sistema com uma negação bitwise da netmask. Ele também adivinhará se seu sistema de gateway é também seu servidor DNS. Se você não encontrar nenhuma destas respostas, use as suposições do sistema -- você pode altera-los após o sistema estar instalado, se necessário, editando by editing /etc/network/interfaces.


7.14 ``Instalar o Sistema Básico''

O próxiomo passo é para instalar o sistema básico. O sitema básico é um conjunto mínimo de pacotes que oferece um sistema funcional básico. Ocupa em torno de 70MB de espaço.

Durante o passo ``Instalar o Sistema Básico'', aparecerá um menu de dispositivos de onde você poderá instalar o sistema básico. Você deve selecionar a mídia de instalação apropriada.

Se você escolher a instalação através de um sistema de arquivos no disco rígido ou pelo CD-ROM, você será perguntado por um caminho específico para o arquivo http://http.us.debian.org/debian/dists/potato/main/disks-arm/current/base2_2.tgz. Se você tiver a mídia oficial, o valor padrão deverá estar correto. Ou então, entre com o caminho onde o sistema básico pode ser encontrado, relativo ao ponto de montagem da mídia. Como no passo ``Instalar o Kernel do Sistema e os Módulos'', você pode deixar dbootstrap procurar o arquivo por si próprio no caminho especificado.

Se você escolher instalar através de um disco flexível, coloque os disquetes do sistema básico em ordem, quando forem pedidos pelo dbootstrap. Se um destes disquetes estiver com problemas de leitura, você deverá criar um disquete substituindo este e colocar outra vez todos os disquetes no sistema. Após todos os disquetes serem lidos, o sistema instalará os arquivos lidos dos disquetes. Isto pode demorar 10 minutos ou mais em sistemas lentos, menos em sistemas rápidos.

Se estiver instalando o sistema básico via NFS, então escolha NFS e continue. Será perguntado o servidor específico, o compartilhamento no servidor, e o subdiretório onde o arquivo http://http.us.debian.org/debian/dists/potato/main/disks-arm/current/base2_2.tgz pode ser encontrado. Se você tem problemas montando NFS, tenha certeza que a hora do sistema no servidor NFS é mais ou menos igual a hora no sistema do cliente. Você pode configurar sua data em tty2 usando o comando date; você terá que fazer isto manualmente. Veja o comando date(1) no manual.


7.15 ``Configurar o Sistema Básico''

Neste ponto o sistema Debian mínimo deve ter sido instalado, mas você deve fazer diversas configurações antes do sistema ser executado.

Você será perguntado para selecionar sua zona do tempo. Existem muitos meios de especificar sua zona do tempo; nós sugerimos você ir ao painel ``Diretórios:'' procure e selecione seu país (ou continente). Isto alterará as zonas do tempo disponíveis, e selecione localizada geográfica (i.e., país, província, estado ou cidade) no painel ``Fuso-horário:''.

Após isto, você será perguntado se o relógio do sistema deverá ser ajustado para a hora GMT ou hora local. Selecione GMT (i.e., ``Sim'') se você somente está executando Unix em seu computador; selecione local time (hora local) (i.e., ``Não'') se você está executando outro sistema operacional que não seja a Debian. Unix (e Linux não é uma exceção) geralmente deixa a hora GMT no relógio do sistema e converte a hora visível para a zona do tempo local. isto permite o sistema manter horários de verão e anos bissextos, e até permite usuários que estão logados em outras zonas do tempo usarem zonas do tempo individualmente naquele terminal.


7.16 ``Fazer o Linux Inicializar pelo Disco Rígido''

Se você selecionar "fazer o disco rígido inicializar diretamente pelo Linux", e você não está instalando a partir de uma estação sem disco rígido o sistema lhe perguntará sobre a instalação de um master boot record. Se você não está usando um boot manager (e iste é provavelmente o caso se você não conhecer o que é um boot manager) ou não tem outros sistemas operacionais diferentes no mesmo computador, responda ``Sim'' a esta questão. Se você responder ``Sim'', a próxima questão será se você quer que o Linux inicialize automaticamente através do disco rígido quando ligar seu computador. Isto configura a partição do Linux como inicializável -- a única que será carregada através do disco rígido na inicialização.

Note que uma máquina utilizando múltiplos sistemas operacionais é algo de uma arte desconhecida. Este documento não tentará descrever os diversos boot managers (gerenciadores de inicialização), que variam de arquitetura e até mesmo por subarquitetura. Você deve consultar a documentação de seu boot manager para mais detalhes. Lembre-se: quando trabalhar com um boot manager, sempre tenha muito cuidado. Se você está instalando em uma estação de trabalho sem disco, obviamente, a inicialização através de um disco local não será sua opção, e você deverá pular este passo.


7.17 ``Criar um Disquete de Partida''

Você pode querer criar um disquete de inicialização até mesmo se tiver a intenção de inicializar o sistema diretamente através do disco rígido. A razão para fazer isto é que não é possível inicializar através de disco rígido mal instalado, mas um disquete de inicialização sempre funcionará. Seleciona ``Criar um Disquete de Partida'' do menu e coloque um disquete vazio no sistema como solicitado. Tenha certeza que o disquete não está protegido contra gravação, pois o programa formatará e gravará no disquete. Marque-o como um disquete de "Inicialização Personalizada" e proteja-o contra gravação assim que for gravado.

Este disquete conterá um kernel e um sistema de arquivos simples, com uma diretiva de usa-lo em seu novo sistema de arquivos raíz.


7.18 O Momento da Verdade

Sua primeira inicialização do sistema é conhecido por engenheiros como o "teste de fumaça". Se você tiver qualquer disquete na sua unidade de disquetes, remova-o. Seleciona no menu a opção ``Reiniciar o Sistema''.

Se está inicializando diretamente na Debian, e o sistema não iniciar, utilize o mídia de inicialização original(atualmente, o disquete de inicialização), ou insira o disco flexível personalizado que você criou no passo anterior, e resete seu sistema. Se você não esta usando o disquete de inicialização personalizado, você provavelmente terá que incluir vários parâmetros de boot. Se inicializar com o disquete de inicialização ou técnicas similares, você precisará especificar rescue root=root, onde root é sua partição root, por exemplo "/dev/sda1".

A Debian deverá inicializar, e você verá as mesmas mensagens de quando você iniciou o sistema de instalação pela primeira vez, seguida de várias mensagens novas.


7.19 Escolher a senha do root

A conta root é também chamada de super usuário, este é um login que ultrapassa todos as proteções de segurança de seu sistema. A conta root somente deve ser usada para fazer a administração do sistema, e usada o menor tempo possível.

Qualquer senha que criar deverá conter de 6 a 8 caracteres, e também poderá conter letras maiúsculas e minúsculas, e também caracteres de pontuação. Tenha um cuidado especial quando escolher sua senha root, desde que ela é a conta mais poderosa. Evite palavras de dicionário ou o uso de qualquer outros dados pessoais que podem ser adivinhados.

Se qualquer um lhe pedir senha root, seja extremamente cuidadoso. Você normalmente nunca deve distribuir sua conta root, a não ser que esteja administrando um computador com mais de um administrador do sistema.


7.20 Criando um usuário ordinário

O sistema perguntará a você sobre a criação de uma conta de usuário ordinário. Esta conta será seu login pessoal. Você não deverá usar a conta root para uso diário ou como seu login pessoal.

Porque não? Bem, uma razão para evitar usar privilégios root é por causa da facilidade de se cometer danos irreparáveis como root. Outra razão é que você pode ser enganado e rodar um programa Cavalo de Tróia -- que é um programa que obtém poderes do super usuário para comprometer a segurança do seu sistema sem que você saiba. Qualquer bom livro de administração de sistemas Unix cobre este tópico em maiores detalhes - considere a leitura de um destes se isto for novidade para você.

Nomeie a conta do usuário do jeito que quiser. Se seu nome é John Smith, você pode usar "smith", "john", "jsmith" ou "js".


7.21 Suporte a Senhas Ocultas

O Próximo passo, o sistema perguntará sobre a ativação de shadow password (senhas ocultas). Este é um método para seu sistema Linux ter um pouco mais de segurança. Em um sistema sem senhas ocultas, as senhas são armazenadas (encriptadas) em um arquivo lido por todos, /etc/passwd. Este arquivo pode ser lido por qualquer um que entra no sistema porque ele contém dados vitais dos usuários, por exemplo, o mapeamento entre identificações numéricas de usuários e nomes de login. Então, alguém pode conseguir seu arquivo /etc/passwd e executar um ataque brute force nele para tentar descobrir as senhas.

Se você tem senha oculta ativada, as senhas serão armazenadas no arquivo /etc/shadow, que é lido somente pelo root. Então, nós recomendamos que você ative a senha oculta (shadow passwords).

A reconfiguração do seu sistema de senhas sombras pode ser feito a qualquer hora com o programa shadowconfig. Após a instalação, veja /usr/doc/passwd/README.debian.gz para mais informações.


7.22 Selecionando e Instalando Perfis

O sistema agora perguntará se você deseja utilizar as configurações de software pré-definidas oferecidas pela Debian. Você pode sempre escolher, pacote por pacote, o que deseja instalar em sua máquina. Esta é a função do programa dselect, descrito abaixo. Mas isto pode ser uma longa tarefa com aproximadamente 3350 pacotes disponíveis na Debian!

Assim, você tem a habilidade de escolher tarefas(tasks) ou perfis(profiles) disponíveis. Uma tarefa é o tipo de trabalho que sua máquina terá como "Programação em Perl" ou "autoria em HTML" ou "Processamento de textos Chinêses". Você pode escolher diversas tarefas. Um perfil é qual a categoria de sua máquina como um "Servidor de Rede" ou "Estação de trabalho pessoal". Ao contrário das tarefas, você pode escolher somente um perfil.

Em resumo, se você tem pressa, escolha um perfil (profile). Se você tem mais tempo, escolha perfil personalizado e selecione as configurações de tarefas (tasks). Se você tem todo o tempo e deseja um controle mais preciso do que está e o que não está instalando, avance este passo e use o poder completo do dselect.

Logo, você entrará no dselect. Se você selecionou tarefas ou perfis, lembre-se de avançar o passo de seleção do dselect, porque as seleções de pacotes já estarão feitas.

Uma palavra de alerta sobre o tamanho das tarefas será mostrado: o tamanho mostrado para cada tarefa é a soma dos tamanho dos pacotes. Se você escolher duas tarefas que compartilham diversos pacotes, o requerimento atual do disco será menor que a soma dos tamanhos para as duas tarefas.

Após você ter incluido os logins (root e pessoal), você será mandado para o programa dselect. A leitura do dselect Tutorial é requerida antes de executá-lo. dselect lhe permite selecionar pacotes que serão instalados em seu sistema. Se você tem um CD-Rom ou disco rígido contendo os pacotes adicionais da Debian que deseja instalar em seu sistema, ou você esta conectado com a Internet, este será o melhor meio para isto. No entanto, você pode sair do dselect e inicia-lo mais tarde, uma vez que você tenha transportado os arquivos do pacote da Debian para seu sistema. Você deve acessar o sistema como o super usuário(root) para executar o dselect.


7.23 Entrando no Sistema

Após sair do dselect, será mostrado o aviso de login. Entre no sistema usando seu login pessoal e senha que selecionou. Seu sistema estará agora pronto para o uso.


7.24 Configurando o PPP

Nota: Caso estiver instalando pelo CD-ROM e/ou conectado diretamente a rede, você pode seguramente avançar esta seção. O sistema de instalação somente perguntará isto se sua rede não estiver configurada.

O sistema básico inclui um pacote PPP completo. Este pacote permite a você se conectar com seu ISP (internet service provider) usando PPP. Abaixo estão instruções básicas para configurar sua conexão PPP. Os disquetes de boot contém um programa chamado pppconfig que pode lhe ajudar a criar uma conexão PPP. Tenha certeza, quando ele te perguntar pelo nome da sua conexão dial-up, coloque o nome do seu "Provedor".

Felizmente, o programa pppconfig encaminhará você durante a configuração da conexão PPP. No entanto, se ele não funcionar com você, veja abaixo instruções detalhadas.

Para fazer uma conexão PPP, você precisará conhecer a base da visualização de arquivo e edição no Linux. Para ver arquivos, você pode usar more, e zmore para arquivos compactados com a extensão .gz. Por exemplo, para ver README.debian.gz, digite zmore README.debian.gz. O sistema básico vem com dois editore: ae, que é mais simples de se usar, mas não tem tantas características, e elvis-tiny, um clone limitado do vi. Você provavelmente dever instalar mais tarde editores com mais características e visualizadores, como o nvi, less e emacs.

Edite /etc/ppp/peers/provider e troque "/dev/modem" por "/dev/ttyS#" onde # é o número da porta serial do modem no Linux. No Linux, as portas seriais são contadas a partir de 0; sua primeira porta serial é /dev/ttyS0 no Linux. O próximo passo é editar /etc/chatscripts/provider e inserir seu número de telefone do provedor, seu nome de usuário e senha. Não apague o "\q" que precede a senha. Ele oculta a senha para não aparecer em seus arquivos de log.

Muitos provedores usam PAP ou CHAP para seqüência de login ao invés da autenticação em modo texto. Outros usam ambos. Se seu provedor requer PAP ou CHAP, você precisará fazer um procedimento diferente. Comente tudo abaixo da string de discagem (a única que inicia com "ATDT") em /etc/chatscripts/provider, modifique /etc/ppp/peers/provider como descrito acima, e inclua user name onde name é o seu nome do usuário do provedor que esta configurando esta conexão. O próximo passo é editar /etc/pap-secrets ou /etc/chap-secrets e entrar com sua senha aqui.

Também será necessário editar o arquivo /etc/resolv.conf e incluir o endereço IP do servidor DNS do seu provedor. As linhas em /etc/resolv.conf seguem o seguinte formato: nameserver xxx.xxx.xxx.xxx onde os x's são os números do endereço IP. Opcionalmente, você pode adicionar a opção usepeerdns ao arquivo /etc/ppp/peers/provider, que ativará automáticamente os servidores DNS apropriados, usando as configurações que o computador remoto normalmente oferece.

A não ser que seu provedor tenha uma sequencia de login diferente da maioria dos ISPs, está pronto! Inicie sua conexão PPP digitando pon como root, e monitore o processo usando o comando plog. Para disconectar, use poff, como root.


7.25 Instalando o resto de seu sistema

Informações sobre a instalação do resto do sistema Debian é contido em um documento separado, o dselect Tutorial. Lembre-se de avançar o passo de seleção no dselect se você esta usando perfis ou tarefas de Selecionando e Instalando Perfis, Secção 7.22.


[ anterior ] [ Índice ] [ 1 ] [ 2 ] [ 3 ] [ 4 ] [ 5 ] [ 6 ] [ 7 ] [ 8 ] [ 9 ] [ 10 ] [ 11 ] [ próximo ]

Instalando Debian GNU Linux 2.2 para ARM

versão 2.2.27, 14 October, 2001
Bruce Perens
Sven Rudolph
Igor Grobman
James Treacy
Adam Di Carlo