[ anterior ] [ Índice ] [ 1 ] [ 2 ] [ 3 ] [ 4 ] [ 5 ] [ 6 ] [ 7 ] [ 8 ] [ 9 ] [ 10 ] [ 11 ] [ próximo ]

Instalando Debian GNU Linux 2.2 para SPARC
Capítulo 6 - Iniciando o sistema de instalação


Este capítulo inicia com algumas informações gerais sobre a inicialização da Debian GNU/Linux, então se move para seções individuais de métodos de instalação particulares e sua conclusão são alguns avisos sobre problemas que podem ser encontrados durante este processo (e como resolve-los).


6.1 Parâmetros de Inicialização

Parâmetros de inicialização são parâmetros que são geralmente usados para ter certeza que os periféricos funcionarão corretamente. Para a maior parte, o kernel pode auto-detectar as informações sobre seus periféricos. No entanto existem casos que você deverá ajudar um pouco o kernel.

Informações completas sobre os parâmetros de inicialização podem ser encontrados na url Linux BootPrompt HOWTO; esta seção contém somente uma visão sobre os parâmetros de inicialização mais utilizados.

Se esta é a primeira vez que você está inicializando o sistema, tente os parâmetros de inicialização padrão (i.e., não tente passar argumentos) e veja se ele funciona corretamente. Provavelmente funcionará. Se isto não ocorrer, você pode reiniciar depois e procurar por qualquer parâmetro especial que passará a configuração do hardware ao sistema.

Quando o kernel inicializa, a mensagem Memory: avail k/ total k available deverá ser mostrada pelo processo. total é o total de RAM disponível no sistema, em kilobytes, que está disponível. Se ele não confere com a memória RAM que se tem instalada, você precisará usar o parâmetro mem=ram, onde ram é o total de memória do sistema seguido de "k" para kilobytes, ou "m" para megabytes. Por exemplo, both mem=65536k ou mem=64m indicam uma memória RAM de 64MB.

Caso seu monitor seja capaz somente de mostrar preto-e-branco, use o parâmetro de inicialização mono. Caso contrário, sua instalação utilizará colorido, que é o padrão.

Se você está inicializando com um console serial, geralmente o kernel ira detecta-lo automáticamente. Se você tem uma placa de vídeo (framebuffer) e também um teclado ligado no computador que deseja inicializar via console serial, você deverá passar o argumento console=dispositivo para o kernel, onde dispositivo. é seu dispositivo serial, que é usualmente "ttya" ou "ttyb" para SPARC, ou então algum parecido com "ttyS0". Alternativamente, configure as variáveis input-device e output-device do OpenPROM para "ttya".

Detalhes completos sobre parâmetros de inicialização podem ser encontrados em Linux BootPrompt HOWTO, incluindo dicas para hardwares antigos. Algumas dicas comuns estão incluídas abaixo em Troubleshooting the Boot Process, Secção 6.6.


6.1.1 Argumentos do dbootstrap

O sistema de instalação reconhece alguns argumentos que podem ser úteis:

quiet
Isto faz o sistema de instalação ignorar mensagens de confirmação e tentar fazer a coisa certa sem perguntar. Se você está familiar e seguro do que o sistema de instalação faz, então esta é uma boa opção para você.
verbose
Pergunta até mais questões que o normal
debug
Mostra mensagens adicionais de depuração no log do sistema de instalação (veja Usando o Interpretador de Comandos e visualizando os Logs, Secção 7.1.1), incluindo cada comando executado.
bootkbd=...
Pré-seleciona o teclado que será usado, por exemplo, bootkbd=qwerty/br-latin1
mono
Usa o modo monocromático ao invés do colorido.

6.2 Interpretando as Mensagens de Inicialização do Kernel

Durante a sequencia de inicialização, você pode ver diversas mensagens na forma "can't find something", "someghing not present", "can't inicialize something", ou "even this driver release depends on something". Muitas destas mensagens de erro podem ser ignoradas. Elas aparecem porque o kernel do sistema de instalação é criado para funcionar em computadores com diferentes tipos de periféricos. Obviamente, nenhum computador possui todos os tipos possíveis de periféricos, então o sistema operacional mostra diversas mensagens de erro quando não encontra os periféricos que você não possui. O sistema será pausado por um instante. Isto acontece quando ele está aguardando por uma resposta de algum dispositivo, e aquele dispositivo não esta presente em seu sistema. Se acontecer pausas muito longas durante a inicialização do sistema, você pode criar um kernel personalizado depois (veja Compilando um novo Kernel, Secção 8.4).


6.3 Booting from a Hard Disk

Em alguns casos, você pode inicializar através de um sistema operacional existente. Você também pode inicializar através de outros métodos e depois instalar o sistema básico através do disco rígido.


6.3.1 Instalando através de uma partição Linux

Você pode instalar a Debian através de uma partição ext2fs ou através de uma partição Minix. Esta técnica de instalação é apropriada se você esta trocando completamente seu sistema Linux atual pela Debian, por exemplo.

Note que a partição de onde você esta instalando não deverá ser a mesma que você esta instalando a Debian (e.g., /, /usr, /lib, e todas outras).

Para instalar através de uma partição Linux existentes, siga estas instruções:

  1. Obtenha os seguintes arquivos e os coloque em um diretório de sua partição Linux :
  1. Você pode usar qualuqer outro método de inicialização funcional quando instalar através de uma partição. O seguinte assume que você está inicializando com disquetes; no entanto, qualquer método de inicialização pode ser usado.
  1. Crie o disquete de inicialização como explicado em Criando Disquetes através das Imagens de Discos, Secção 5.6.4. Note que você não precisará do disquete de controladores.
  1. Insira o disquete de inicialização em sua unidade de disquetes e reinicie o computador.
  1. Vá até Usando dbootstrap para configuração inicial do sistema, Capítulo 7.

6.4 Instalando através de um CD-ROM

Se tiver uma unidade de CD que é inicializável e se sua arquitetura e sistema suportar a inicialização através da unidade de CD-ROM, você nãpo precisará de qualquer disquete. Note que tem sido reportados muitos problemas sobre a inicialização através de CD-ROM em sistemas Sun4m (e.g., Sparc 10s e Sparc 20s).

Até mesmo se não puder inicializar através do CD-ROM, você pode instalar o sistema básico da Debian através do CD-ROM. Simplesmente inicialize usando uma das outras tecnicas de instalação; quando for a hora de instalar o sistema básico e qualquer pacote adicional, apenas aponte seu sistema de instalação para sua unidade de CD-ROM como descrito em ``Instalar o Sistema Básico'', Secção 7.14.


6.5 Inicialização através do TFTP

Você precisa configurar um servidor RARP, BOOTP e TFTP.

O Reverse Address Resolution Protocol (RARP) é um método de dizer ao seu cliente que endereço IP usar para si próprio. Outro método de se fazer isto é usar o protocolo BOOTP. O BOOTP é um protocolo IP que informa ao computador seu endereço IP e onde obter uma imagem de inicialização na rede.

O Trivial File Transfer Protocol (TFTP) é usado para servir a imagem de inicialização ao cliente. Teóricamente, qualquer servidor, em qualquer plataforma, que implemente estes protocolos, podem ser usados. Nos exemplos desta seção, nós ofereceremos comandos para o SunOS 4.x, SunOS 5.x (a.k.a. Solaris), e GNU/Linux.


6.5.1 Setting up RARP server

Para configurar RARP, voce precisará conhecer os endereços ethernet do cliente (a.k.a. the MAC address). Se você não conhecelas, você pode usar as mensagens de boot iniciais do OpenPROM, use o comando OpenBoot .enet-addr, ou inicialize no modo "Rescue" (resgate - e.g., através do disquete de inicialização) e use o comando /sbin/ifconfig eth0.

No GNU/Linux você precisará conhecer a tabela do RARP do kernel. Para fazer isto execute:

     /sbin/rarp -s hostname-cliente client-enet-addr
     /usr/sbin/arp -s ip-cliente client-enet-addr

Se obter SIOCSARP: Invalid Argument, você provavelmente precisará carregar o módulo rarp do kernel ou então recompilar o kernel para suportar RARP. Tente executar modprobe rarp e então tente novamente o comando rarp.

No SunOS, você precisa se certificar que o endereço ethernet do hardware para o cliente esta listado no banco de dados "ethers" (ou no arquivo /etc/ethers, ou via NIS/NIS+) e no banco de dados "hosts". Então você precisará reiniciar o daemon RARP. no SunOS4, digite o comando (como root): /usr/etc/rarp -a; no SunOS 5, use /usr/sbin/rarpd -a.


6.5.2 Configurando seu servidor BOOTP

Existem dois servidor BOOTP disponíveis para GNU/Linux o CMU bootpd e o ISC dhcpd, que estão contidos no pacote bootp e dhcp na Debian GNU/Linux.

Para usar o CMU bootpd, você deve primeiro descomentar (ou adicionar) a linha relevante no arquivo /etc/inetd.conf. Na Debian GNU/Linux, você pode executar update-inetd --enable bootps, então /etc/init.d/inetd reload para fazer isto. A linha deve se parecer com isto:

     bootps         dgram   udp     wait    root    /usr/sbin/bootpd        bootpd -i -t 120

Agora, você deve criar o arquivo /etc/bootptab. Este tem o formato falimiar e parecido com o antigo arquivo BSD dourado printcap(5), termcap(5), e disktab(5). Veja a página de manual bootptab(5) para mais detalhes. Para o CMU bootpd, você prcisará conhecer o endereço de hardware (MAC) do cliente.

Em contraste, a configuração do BOOTP com o ISC dhcpd é realmente fácil, porque ele trata os clientes BOOTP como um caso moderadamente especial dos clientes DHCP. Você não precisará conhecer o endereço de hardware (MAC) do cliente, a não ser que deseje designar endereços fixos para suas máquinas usando o BOOTP e/ou DHCP. Simplesmente adicione a opção allow bootp ao bloco de configuraçào para a subrede que contém o cliente e reinicie o dhcpd com /etc/init.d/dhcpd restart.


6.5.3 Enabling the TFTP Server

Para deixar o servidor TFTP pronto para o funcionamento, você primeiro deve ter certeza que o programa tftpd está ativado. Este é usualmente ativado se tiver a seguinte linha em /etc/inetd.conf:

     tftp dgram udp wait root /usr/etc/in.tftpd in.tftpd /tftpboot

Olhe neste arquivo e relembre o diretório que é usado como caminho de in.tftpd; você precisará disto abaixo. Se você teve que mudar /etc/inetd.conf, será necessário notificar o processo em execução inetd que o arquivo voi alterado. Em uma máquina Debian, execute /etc/init.d/netbase reload; em outras máquinas, procure a identificação do processo por inetd, e execute kill -1 inetd-pid


6.5.4 Movendo imagens TFTP no local

Próximo, coloque a imagem de inicialização TFTP que precisa, como encontrado em Descrição dos arquivos do sistema de instalação, Secção 5.4, no diretório de inicialização de imagens tftpd. Geralmente este diretório será o /boot na Debian, e /tftpboot em outros sistemas operacionais. Então, você deverá fazer um link através daquele arquivo para o arquivo no qual tftpd será usado para inicializar um cliente particular. Infelizmente o nome do arquivo é determinado pelo cliente TFTP, e assim não há padrões.

Frequentemente, o arquivo que o cliente TFTP procura é IP-do-cliente-em-hex-arquitetura-do-cliente. Para computar IP-do-cliente-em-hex, ele obtem cada byte do endereço IP do cliente e traduz em valores hexadecimais. Se você tem uma outra máquina com o programa bc, você pode usar o programa. Primeiro use o comando obase=16 para configurar a saida em hexadecimal, então entre com os componentes individuais do IP do cliente um de cada vez. Como para arquitetura-do-cliente, tente alguns outros valores.

As arquiteturas SPARC atualmente, usam os nomes de sub-arquiteturas, como um "SUN4M" ou "SUN4C"; em muitos casos, a arquitetura é deixada em branco, assim o o cliente procura o arquivo para isto IP-do-cliente-em-hex. Assim, se sua sub-arquitetura do sistema é um SUN4C, e seu IP é 192.168.1.3, o nome do arquivo deverá ser C0A80103.SUN4C. Você pode também forçar alguns sistemas sparc procurarem por um nome de arquivo específico adicionando ele ao fim da linha de comando do OpenPROM, tal como boot net my-sparc.image. Este arquivo deve residir no diretório que o servidor TFTP procura.

Uma vez que determinou o nome, faça um link como este: ln /boot/tftpboot.img /boot/file-name.

Próximo configure seu servidor boot ROMs ou BOOTP para inicialmente carregar o arquivo tftplilo.bvme ou tftplilo.mvme através do servidor TFTP. Veja o arquivo tftplilo.txt para sua sub-arquitetura para informações sobre configurações específicas no sistema.

Agora você deve estar realmente pronto para inicializar seu sistema. Em máquinas com o OpenBoot, simplesmente entre no monitor de boot da máquina que esta instalando, (veja Acessando o OpenBoot, Secção 3.3.1) e use o comando boot net. Algumas revisões antigas do OpenBoot requerem o uso do nome de dispositivo, tal como boot le()


6.5.5 Instalação TFTP para sistemas com pouca memória

Em muitos sistemas, a instalação padrão através de discos-RAM, combinados com os requerimentos de memória da imagem de boot TFTP, não cabe na memória. Neste caso, você deverá instalar usando TFTP, você deve executar um passo adicional do NFS montando seu diretório root através da rede. Este tipo de configuração é também apropriada para instalações sem disco rígido ou clientes sem dados.

Primeiro de tudo, siga todos os passos acima em Inicialização através do TFTP, Secção 6.5.

  1. Copie a imagem do kernel do Linux em seu servidor TFTP usando a imagem a.out da arquitetura que está inicializando.
  1. Descompacte o arquivo tar em seu servidor NFS (pode ser o mesmo sistema que seu servidor TFTP):
         # cd /tftpboot
         # tar xvzf root.tar.gz
    

    Tenha certeza de user o tar da GNU (outros programas tar, como o do SunOS, manipulam incorretamente os dispositivos como arquivos de texto plano).

  1. Exporte seu diretório /tftpboot/debian-sparc-root com acesso root para seu cliente. E.G., incluindo a seguinte linha no arquivo /etc/exports (sintaxe GNU/Linux):
          /tftpboot/debian-sparc-root	client(rw,no_root_squash)
    

    NOTA: "client" é o hostname ou endereço IP reconhecido pelo servidor para o sistema que está inicializando.

  1. Crie um link simbólico através de endereço IP do seu cliente seu cliente em anotação pontilhada para debian-sparc-root no diretório /tftpboot. Por exemplo, se o endereço IP do cliente é 192.168.1.3, faça:
         # ln -s debian-sparc-root 192.168.1.3
    
  1. Agora você pode inicializar seu cliente, como descrito em Inicialização através do TFTP, Secção 6.5.

Ainda não escrito


6.5.6 Instalando com Root TFTP e NFS

É mais especificamente para "instalação tftp para sistemas com pouca..." porque você não conseguiu carregar mais o ramdisk mas inicializou através do recém criado nfs-root fs. Voce então precisa trocar o link simbólico da imagem do tftpboot para um link simbólico para a imagem do kernel (eg. linux-a.out).

Minha experiência em inicializações através da rede foi baseado exclusivamente no RARP/TFTP que requerem todos os daemons sendo executados no mesmo servidor (a estação de trabalho sparc esta enviando uma requisição tftp de volta para o servidor que respondeu a uma requisição rarp anterior). No entanto o Linux também suporta o protocolo BOOTP mas eu não sei como configura-lo :-(( Ele tembém tem que ser documentado neste manual?


6.6 Troubleshooting the Boot Process

Se você tem problemas e o kernel trava durante o processo de inicialização, não reconhece periféricos instalados ou unidades não são reconhecidas corretamente, a primeira coisa para checar é os parâmetros de inicialização, como discutido em Parâmetros de Inicialização, Secção 6.1.

Normalmente, estes problemas podem ser resolvidos removendo-se periféricos e add-ons, e então tentando inicializar novamente.

Se você não consegue iniciar porque obtem mensagens sobre problemas com "IDPROM", então é possível que sua bateria NVRAM, que obtem informações de configuração para sua firmware, esta fora de execução. Veja Sun NVRAM FAQ para mais detalhes.

Se estiver inicializando através deum disquete, e você ve mensagens como

     Fatal error: Cannot read partition
     Illegal or malformed device name

então é possível que a inicialização através de disquetes não é suportada em sua máquina. Veja Booting from Floppies, Secção 5.6.2.

Se você ainda tem problemas, por favor envie um relatório sobre esta falha. Envie um e-mail (em inglês) para submit@bugs.debian.org. Você deve incluir o seguinte nas primeiras linhas de seu e-mail:

     Package: boot-floppies
     Version: versão

Preencha versão com a versão dos disquetes de inicialização que você teve problemas. Se não conhecer a versão, use a data destes arquivos, e inclua o nome da distribuição que foi copiado (e.g., "stable", "frozen")

Você deve incluir ainda as seguintes informações no seu relatório:

     architecture:  sparc
     model:         vendedor do hardware e modelo
     memory:        quantidade de memória RAM
     scsi:          adaptador SCSI, se possuir
     cd-rom:        modelo do CD-ROM e tipo da interface, e.g., ATAPI
     network card:  placa de interface de rede, se possuir
     pcmcia:        detalhes sobre qualquer dispositivo PCMCIA

Dependendo da natureza da falha, também seria útil descrever se você esta instalando o sistema em um disco IDE ou SCSI, outros periféricos como audio, capacidade do disco, e modelo da placa de vídeo.

No registro de falha, descreva qual é o problema, incluindo a última mensagem que o kernel mostrou antes de travar. Descreva os passos feitos por você até o sistema encontrar este problema.


[ anterior ] [ Índice ] [ 1 ] [ 2 ] [ 3 ] [ 4 ] [ 5 ] [ 6 ] [ 7 ] [ 8 ] [ 9 ] [ 10 ] [ 11 ] [ próximo ]

Instalando Debian GNU Linux 2.2 para SPARC

versão 2.2.27, 14 October, 2001
Bruce Perens
Sven Rudolph
Igor Grobman
James Treacy
Adam Di Carlo