[ anterior ] [ Índice ] [ 1 ] [ 2 ] [ 3 ] [ 4 ] [ 5 ] [ 6 ] [ 7 ] [ 8 ] [ 9 ] [ 10 ] [ 11 ] [ 12 ] [ próximo ]

Instalando Debian GNU/Linux 3.0 para SPARC
Capítulo 3 - Antes de Instalar Debian GNU/Linux


3.1 Visualização do Processo de Instalação

Aqui está um mapa dos passos que você tomará durante o processo de instalação.

  1. Criar espaço particionável para o Debian em seu disco rígido
  1. Localizar e/ou baixar os arquivos do kernel e drivers (exceto usuários de CD Debian)
  1. Configurar disquetes de inicialização ou colocar os arquivos de inicialização (exceto muitos usuários de CD Debian, que podem inicializar a partir de um dos CDs)
  1. Inicializar o sistema de instalação
  1. Configurar o teclado
  1. Criar e montar partições Debian
  1. Apontar o instalador para a localização do kernel e drivers
  1. Selecionar quais drivers de periféricos carregar
  1. Configurar a interface de rede
  1. Iniciar download/instalação/configuração automáticos do sistema básico
  1. Configurar a inicialização Linux ou multi-sistema
  1. Iniciar no novo sistema instalado e realizar algumas configurações finais
  1. Instalar tarefas e pacotes adicionais, ao seu critério

3.2 Faça Cópia de Segurança de seus Dados Existentes!

Antes de iniciar a instalação, faça a cópia de segurança de todos os arquivos de seu sistema. Se esta é a primeira vez que é instalado um sistema operacional não-nativo em seu computador, isso é um pouco parecido com o que precisará para reparticionar seu disco para abrir espaço para o Debian GNU/Linux. Sempre que você particionar seu disco, deve contar com a possibilidade de perder tudo no disco, independente de qual programa você usar para isso. Os programas usados na instalação são completamente confiáveis e muitos têm diversos anos de uso; ainda assim, um movimento falso pode ter seu custo. Até mesmo depois de fazer as cópias de segurança, tenha cuidado e pense sobre suas respostas e ações. Dois minutos de pensamento podem salvar horas de um trabalho desnecessário.

Se estiver instalando em um sistema com multi-inicialização, tenha certeza que possui os discos da distribuição ou de qualquer outro sistema operacional presente. Especialmente se você reparticionar sua unidade de boot, você pode achar que precisa reinstalar o boot loader de seu sistema operacional, ou em muitos casos todo o próprio sistema operacional e todos os arquivos nas partições afetadas.


3.3 Informação de que você precisará


3.3.1 Documentação


3.3.1.1 Manual de Instalação

Este arquivo que você está lendo agora, em formato ASCII plano, HTML ou PDF.


3.3.1.2 Dselect para Iniciantes

Tutorial para o uso do programa dselect. Este é um dos meios de instalação de pacotes adicionais em seu sistema depois que a instalação do sistema básico estiver completa.


3.3.1.3 Páginas de manual de programas de particionamento

Páginas de manual para o software de particionamento usado durante o processo de instalação.


3.3.1.4 MD5 checksums

Lista dos checksums MD5 para os arquivos binários. Se você tiver o programa md5sum, pode certificar-se de que seus arquivos não estão corrompidos executando md5sum -v -c md5sum.txt.


3.3.2 Encontrando fontes de informação sobre hardware

Informação sobre hardware pode ser obtida de :

            Informação de Hardware Necessária para uma Instalação              
     +-------------------------------------------------------------------+
     |Hardware|          Informação que você pode precisar               |
     |--------+----------------------------------------------------------|
     |        |  * Quantos você possui.                                  |
     |        |  * A ordem dos mesmos no sistema.                        |
     |Discos  |  * Se são IDE ou SCSI (a maioria é IDE).                 |
     |Rígidos |  * Espaço livre disponível.                              |
     |        |  * Partições.                                            |
     |        |  * Partições onde outros sistema operacionais estão      |
     |        |    instalados.                                           |
     |--------+----------------------------------------------------------|
     |        |  * Modelo e fabricante.                                  |
     |        |  * Resoluções suportadas.                                |
     |Monitor |  * Taxa de atualização horizontal.                       |
     |        |  * Taxa de atualização vertical.                         |
     |        |  * Profundidade (número) de cores suportada.             |
     |        |  * Tamanho da tela.                                      |
     |--------+----------------------------------------------------------|
     |        |  * Tipo: serial, PS ou USB.                              |
     |Mouse   |  * Porta.                                                |
     |        |  * Fabricante.                                           |
     |        |  * Número de botões.                                     |
     |--------+----------------------------------------------------------|
     |Rede    |  * Modelo e fabricante.                                  |
     |        |  * Tipo de adaptador.                                    |
     |--------+----------------------------------------------------------|
     |Impres- |  * Modelo e fabricante.                                  |
     |sora    |  * Resoluções de impressão suportadas.                   |
     |--------+----------------------------------------------------------|
     |        |  * Modelo e fabricante.                                  |
     |Placa   |  * Memória de vídeo disponível.                          |
     |de Vídeo|  * Resoluções e profundidades de cores suportadas (estas |
     |        |    devem ser checadas com as capacidades de seu monitor).|
     +-------------------------------------------------------------------+

3.3.3 Compatibilidade de Hardware

Muitos produtos novos funcionam sem problemas sob o Linux. Além disso, o hardware para Linux está melhorando diariamente. Porém, o Linux continua não podendo ser executado em tantos tipos de hardware diferentes quanto outros sistemas operacionais.

Você pode checar a compatibilidade de hardware das seguintes maneiras :


3.3.4 Configurações de Rede

Se seu computador estiver conectado em uma rede 24 horas por dia (i.e., uma conexão Ethernet ou equivalente — não uma conexão PPP), você deve perguntar ao seu administrador da rede por estes detalhes. Por outro lado, caso seu administrador lhe diga que um servidor DHCP está disponível e é recomendado, então você não precisará dessa informação porque o servidor DHCP irá fornecê-la diretamente ao seu computador durante o processo de instalação.

Se seu computador está conectado a rede somente utilizando uma conexão serial, através de PPP ou conexão dial-up equivalente, você provavelmente não instalará o sistema básico pela rede. Para instalar o sistema nesse caso, você precisa usar um CD, pré-carregar os pacotes base em uma partição de disco rígido existente, ou preparar disquetes contendo os pacotes base. Veja Configurando o PPP, Secção 8.9 para informações de como configurar o PPP sob o Debian assim que o sistema estiver instalado.


3.4 Planejando o Uso do Sistema

É importante decidir que tipo de máquina você está criando. Isso determinará os requisitos de espaço em disco para seu sistema Debian.


3.5 Atendendo aos Requerimentos Mínimos de Hardware

Uma vez que você tenha obtido a informação sobre o hardware de seu computador, certifique-se de que seu hardware lhe permitirá fazer o tipo de instalação que você quer fazer.

Dependendo de suas necessidades, você poderá ter sucesso com menos do que o hardware recomendado listado na tabela abaixo. Porém, a maioria dos usuários se arriscarão a ficarem frustrados caso ignorem estas sugestões.

           Requerimentos Mínimos de Sistema Recomendados         
           +-------------------------------------------------+
           |Tipo de Instalação|  Memória RAM  | Disco Rígido |
           |------------+--------------+---------------------|
           |Sem desktop       | 16 megabytes  | 450 megabytes|
           |------------+--------------+---------------------|
           |Com Desktop       | 64 megabytes  | 1 gigabyte   |
           |------------+--------------+---------------------|
           |Servidor          | 128 megabytes | 4 gigabytes  |
           +-------------------------------------------------+

Aqui está uma amostra de algumas configurações comuns de sistemas Debian. Você pode também ter uma idéia do espaço em disco utilizado por grupos relacionados de programas consultando a Espaço em disco requerido para as tarefas, Secção 11.4.

Standard Server (Servidor Padrão)
Esta é a configuração de um pequeno servidor, útil para um servidor enxuto que não tem muitas sutilezas para usuários shell. Inclui um servidor FTP, um servidor web, DNS, NIS, e POP. Para esses, 50MB de espaço em disco seriam suficientes, e então você precisaria adicionar espaço para qualquer dado que você queira servir.
Dial-up
Um desktop padrão, incluindo sistema X window, aplicações gráficas, som, editores, etc. O tamanho dos pacotes será em torno de 500MB.
Work Console (Console de trabalho)
Uma máquina de usuário mais enxuta, sem sistema X window ou aplicações X. Possivelmente adequada para um laptop ou computador móvel. O tamanho é em torno de 140MB.
Developer (Desenvolvedor)
Uma configuração desktop com todos os pacotes de desenvolvimento, como Perl, C, C++, etc. Ocupa em torno de 475MB. Considerando que você está adicionando X11 e alguns pacotes para outros usos, você deve planejar em torno de 800MB para este tipo de máquina.

Lembre-se de que esses tamanhos não incluem todos os outros materiais que geralmente são encontrados, como arquivos de usuários, mensagens, e dados. É sempre melhor ser generoso quando considerando o espaço para seus próprios arquivos e dados. Notavelmente, a partição Debian /var contém muitas informações de estado. Os arquivos do dpkg (com informações sobre todos os pacotes instalados) podem facilmente consumir 20MB; com logs e o resto, você pode geralmente disponibilizar pelo menos 50MB para /var.


3.6 Pré-Particionando para Sistemas Multi-Inicialização

Particionar seu disco simplesmente refere-se ao ato de dividir seu disco em seções. Cada seção é independente das outras. É algo equivalente a erguer paredes em uma casa; se você adiciona mobília em um quarto não afeta os outros.

Se você já tem um sistema operacional em seu sistema e quer colocar Linux no mesmo disco, precisará reparticionar o disco. O Debian requer suas próprias partições de disco rígido. Ele não pode ser instalado em partições Windows ou MacOS. Ele pode ser capaz de compartilhar algumas partições com outros sistemas Linux, mas isso não está coberto aqui. No mínimo, você precisará de uma partição dedicada para a raiz Debian.

Você pode encontrar informações sobre sua configuração atual de partições usando uma ferramenta de particionamento para o seu sistema operacional atual Ferramentas de particionamento sempre oferecem uma maneira de exibir partições sem fazer mudanças.

Geralmente, alterar uma partição com um sistema de arquivos já instalado nela destruirá qualquer informação lá existente. Entretanto, pode-se sempre fazer cópias de segurança antes de qualquer reparticionamento. Usando a analogia da casa, você provavelmente tiraria toda a mobília do caminho antes de mover uma parede sob o risco de destruí-la.

Se seu computador possui mais que um disco rígido, você pode querer dedicar um dos discos rígidos completamente ao Debian. Se assim for, você não precisa particionar aquele disco antes de inicializar a instalação do sistema; o programa de particionamento incluso do instalador pode fazer o trabalho facilmente.

Se sua máquina possui apenas um disco rígido, e você gostaria de substituir o sistema operacional atual completamente com Debian GNU/Linux, também pode esperar pela partição como parte do processo de instalação (Particionamento para a Debian, Capítulo 6), depois de ter inicializado o sistema de instalação. Entretanto isso apenas funciona se você planeja inicializar o instalador a partir de disquetes, CD-ROM ou arquivos de uma máquina conectada. Considere: se você inicializar a partir de arquivos colocados em seu disco rígido, e então particionar o mesmo disco rígido dentro do sistema de instalação, apagando os arquivos de inicialização, seria melhor que esperasse que a instalação fosse bem sucedida na primeira vez. Pelo menos nesse caso, você deve ter alguns meios alternativos de reiniciar sua máquina como os disquetes ou CD's de instalação do sistema original.

Se sua máquina já tem múltiplas partições e pode ser provido espaço suficiente apagando ou substituindo uma ou mais delas, então você também pode esperar e usar o programa de particionamento do instalador do Debian. Você deve ainda ler o material abaixo, porque podem haver circunstâncias especiais como a ordem das partições existentes dentro do mapa de partição, que o força a particionar antes de instalar de qualquer forma.

Em todos os outros casos, você precisará particionar seu disco rígido antes de iniciar a instalação para criar espaço particionável para Debian. Se algumas das partições serão de outro sistema operacional, você deve criá-las usando programas de particionamento nativos daquele sistema operacional. Nós recomendamos que você não tente criar partições Linux para o Debian usando ferramentas de outro sistema operacional. Ao invés disso, deve apenas criar as partições nativas daquele sistema operacional que você planeja manter.

Caso você esteja instalando mais de um sistema operacional na mesma máquina, você deverá instalar todos os outros sistemas antes de prosseguir com a instalação Linux. A instalação do Windows e de outros sistemas operacionais pode acabar com sua opção de iniciar o Linux ou encorajá-lo a reformatar partições não-nativas.

Você pode se recuperar destas ações ou evitá-las, mas instalar o sistema operacional nativo antes irá lhe livrar de problemas.

Se você atualmente possui um disco rígido com uma partição (uma configuração comum para computadores desktop), e quer multi-inicialização entre o sistema operacional nativo e Debian, você precisará:

  1. Fazer cópia de segurança de tudo no computador.
  1. Inicializar a partir da mídia do instalador do sistema operacional nativo como CD-ROM ou disquetes.
  1. Usar as ferramentas de particionamento nativas para criar partição(ões) de sistema. Deixe uma partição temporária ou um espaço livre para o Debian GNU/Linux.
  1. Instalar o sistema operacional nativo em sua nova partição.
  1. Reiniciar no sistema operacional nativo e verificar se tudo está bem e baixar os arquivos do instalador do Debian.
  1. Iniciar o instalador Debian para continuar com a instalação Debian.

3.6.1 Particionando a patir do SunOS

É perfeitamente possível particionar no SunOS; de fato, se você tem a intenção de executar o SunOS e o Debian na mesma máquina, é recomendado que você particione usando o SunOS antes da instalação do Debian. O kernel Linux entende volumes de disco Sun, assim não há problemas. Apenas tenha certeza de que você tem espaço para a partição raiz do Debian dentro da primeira área de 1GB do disco de boot. Você também pode colocar a imagem do kernel em uma partição UFS se isso for mais fácil que colocar a partição raiz lá. SILO suporta inicializar Linux e SunOS a partir de partições EXT2 (Linux), UFS (SunOS), romfs e iso9660 (CDROM).


3.6.2 Particionando a partir do Linux ou outro OS

Qualquer que seja o sistema que estiver usando para particionar, tenha certeza de criar um ``Sun Disk Label'' (Volume de disco Sun) em seu disco de inicialização (boot). Este é o único esquema de partições que o PROM OpenBoot entende, e assim ele é o único esquema de inicialização que pode utilizar. No fdisk, a tecla s é usada para criar um ``Sun Disk Label''. Você somente precisa fazer isto em unidades que não possuem um volume de disco Sun. Se estiver usando uma unidade que foi formatada anteriormente em um PC (ou outra arquitetura) você deve criar um novo volume de disco Sun ou poderão ocorrer problemas com geometria de disco.

Você provavelmente usará o SILO como seu gerenciador de inicialização (o pequeno programa que carrega o kernel do sistema operacional). O SILO tem certos requisitos de tamanho de partições e localizações; veja Particionamento para a Debian, Capítulo 6.


3.7 Instalando o Debian GNU/Linux a partir de um Sistema Unix/Linux

Esta seção explica como instalar o Debian GNU/Linux a partir de um sistema Unix ou Linux existente, sem utilizar o instalador em menus baseado em ncurses como é explicado em todo o restante deste manual. Este HOWTO de "cross-install" vem sendo requisitado por usuários migrando para o Debian GNU/Linux a partir de sistemas RedHat, Mandrake e SuSe. Esta seção assume que o leitor possui alguma familiaridade com comandos Unix e na navegação do sistema de arquivos. Nesta seção, $ simboliza um comando a ser digitado no sistema atual do usuário, enquanto # se refere a um comando a ser digitado no ambiente chroot Debian.

Uma vez que você tenha o novo sistema Debian configurado conforme sua preferência, você pode migrar seus dados de usuários existentes (caso existam) para o mesmo e continuar trabalhando. Esta é portanto uma instalação do Debian GNU/Linux com "zero downtime", ou seja, sua máquina não precisará ser desligada, reiniciada ou ficar fora do ar por tempo algum. É também uma maneira esperta de lidar com hardware que de outra forma não funcionaria amigavelmente com diversas mídias de inicialização ou de instalação.


3.7.1 Iniciando

Usando suas ferramentas de particionamento Unix atuais, reparticione seu disco rígido da maneira desejada, criando pelo menos um sistema de arquivos mais uma partição para memória virtual (swap). Você precisará de pelo menos 150MB de espaço disponível para ums instalação somente console, ou pelo menos 300MB caso você planeje instalar o X.

Para criar sistemas de arquivos em suas partições. Por exemplo, para criar um sistema de arquivos ext3 na partição /dev/hda6 (esta é nossas partição raiz de exemplo) :

      $ mke2fs -j /dev/hda6

Para criar um sistema de arquivos ext2 ao invés de um ext3, omita a opção -j.

Inicialize e ative sua partição de memória virtual (substitua o número da partição pelo seu número de partição usado para sua partição de swap Debian):

      $ mkswap /dev/hda5
      $ sync; sync; sync
      $ swapon /dev/hda5

Monte uma partição como /mnt/debinst (o ponto de instalação para ser o sistema de arquivos raiz (/) em seu novo sistema). O nome do ponto de montagem é arbitrário, isso é referenciado posteriormente abaixo.

      $ mkdir /mnt/debinst
      $ mount /dev/hda6 /mnt/debinst

3.7.2 Instale o debootstrap

A ferramenta que o instalador Debian utiliza, a qual é reconhecida como a maneira oficial de instalar um sistema básico Debian, é o debootstrap. Ele utiliza o wget, mas depende somente da glibc. Instale o wget caso o mesmo ainda não esteja instalado em seu sistema atual e então faça o download e instale o deboostrap.

Caso você possua um sistema baseado em pacotes rpm, você pode utilizar a ferramenta alien para converter o pacote .deb em um pacote .rpm, ou fazer o download de uma versão em rpm em http://people.debian.org/~blade/install/debootstrap

Ou você pode usar o seguinte procedimento para instalá-lo manualmente. Crie um diretório de trabalho para extrair o pacote .deb:

      $ mkdir work
      $ cd work

O binário debootstrap está localizado no repositório Debian (certifique-se de selecionar o arquivo apropriado para sua arquitetura). Faça o downloado do pacote .deb do debootstrap de pool, copie o pacote para o diretório de trabalho e extraia os arquivo binários a partir do mesmo. Você precisar de privilégios de root para instalar os binários.

      $ ar -xf debootstrap_0.X.X_arch.deb
      $ cd /
      $ zcat < /full-path-to-work/work/data.tar.gz | tar xv

3.7.3 Execute o debootstrap (Conectado à rede)

O deboostrap pode fazer o download dos arquivos necessários diretamente do repositório quando você o executa. Você pode substituir http.us.debian.org por qualquer espelho de repositório Debian no comando de exemplo abaixo, preferencialmente usando um espelho próxima a você em relação a rede. Os espelhos estão listados em http://www.debian.org/misc/README.mirrors.

Caso você possua um CD do Debian GNU/Linux versão woody montado em /cdrom você usar uma URL apontando para um arquivo, como em file:/cdrom/cddebian/, ao invés de um URL HTTP.

Substitua o parâmetro ARCH no comando debootstrap abaixo por um dos seguintes valores de arquitetura possíveis : alpha, arm, hppa, i386, ia64, m68k, mips, mipsel, powerpc, s390 ou sparc.

      $ /usr/sbin/debootstrap --arch ARCH woody \
          /mnt/debinst http://http.us.debian.org/debian

3.7.4 Execute o debootstrap (Usando basedebs.tar)

O debootstrap pode usar o arquivo basedebs.tar, caso você já tenha feito o download do mesmo. O arquivo basedebs.tar é gerado de tempos em tempos, portanto você poderá obter a última versão do sistema básico apontando o debootstrap diretamente para um repositório Debian como mostrado na seção anterior.

O arquivo basedebs.tar pode ser encontrado no diretório base-images-current no repositório Debian para sua arquitetura, por exemplo : http://http.us.debian.org/debian/dists/woody/main/disks-i386/base-images-current/basedebs.tar

Substitua o parâmetro ARCH no comando debootstrap abaixo por um dos seguintes valores de arquitetura possíveis : alpha, arm, hppa, i386, ia64, m68k, mips, mipsel, powerpc, s390 ou sparc.

      
     $ /usr/sbin/debootstrap --arch ARCH --unpack-tarball \
         /path-to-downloaded/basedebs.tar woody /mnt/debinst

3.7.5 Configure o Sistema Básico

Agora você possui um sistema Debian real, apesar de mínimo, no disco. Chroot no sistema Debian usando o comando abaixo :

      $ chroot /mnt/debinst /bin/bash

3.7.5.1 Monte as Partições

Você precisará criar o arquivo /etc/fstab.

      # editor /etc/fstab

Aqui está um exemplo que você pode mofificar para suas necessidades :

     # /etc/fstab: static file system information.
     #
     # file system    mount point   type    options                  dump pass
     /dev/XXX         /             ext2    defaults                 0    0
     /dev/XXX         /boot         ext2    ro,nosuid,nodev          0    2
     
     /dev/XXX         none          swap    sw                       0    0
     proc             /proc         proc    defaults                 0    0
     
     /dev/fd0         /mnt/floppy   auto    noauto,rw,sync,user,exec 0    0
     /dev/cdrom       /mnt/cdrom    iso9660 noauto,ro,user,exec      0    0
     
     /dev/XXX         /tmp          ext2    rw,nosuid,nodev          0    2
     /dev/XXX         /var          ext2    rw,nosuid,nodev          0    2
     /dev/XXX         /usr          ext2    rw,nodev                 0    2
     /dev/XXX         /home         ext2    rw,nosuid,nodev          0    2

Use o comando mount -a para montar todos os sistemas de arquivos que você possui especificados em seu arquivo /etc/fstab ou monte os sistemas de arquivos individualmente usando :

      # mount /path  # e.g.:  mount /usr

Você pode montar o sistema de arquivo proc diversas vezes e em locais arbitrários, porém é comum usar /proc. Caso você não tenha usado mount -a, certifique-se de montar o proc antes de continuar usando o comando abaixo :

      # mount -t proc proc /proc

3.7.5.2 Configurar o Teclado

Para configurar seu teclado use :

      # dpkg-reconfigure console-data

3.7.5.3 Configure a Rede

Para configurar a rede, edite os arquivos /etc/network/interfaces, /etc/resolv.conf e /etc/hostname.

      # editor /etc/network/interfaces

Aqui estão alguns exemplos simples obtidos de /usr/share/doc/ifupdown/examples:

     ######################################################################
     # /etc/network/interfaces -- configuration file for ifup(8), ifdown(8)
     # See the interfaces(5) manpage for information on what options are 
     # available.
     ######################################################################
     
     # Sempre queremos a interface loopback.
     #
     auto lo
     iface lo inet loopback
     
     # To use dhcp:
     #
     # auto eth0
     # iface eth0 inet dhcp
     
     # Um exemplo de configuração de IP estático: (broadcast e gateway 
     # são opcionais)
     #
     # auto eth0
     # iface eth0 inet static
     #     address 192.168.0.42
     #     network 192.168.0.0
     #     netmask 255.255.255.0
     #     broadcast 192.168.0.255
     #     gateway 192.168.0.1

Informe seu(s) servidor(es) de nomes e as diretivas de procura em /etc/resolv.conf :

      # editor /etc/resolv.conf

Um exemplo de arquivo /etc/resolv.conf simples :

     # search hqdom.local\000
     # nameserver 10.1.1.36
     # nameserver 192.168.9.100

Informe o nome de máquina (host name) de seu sistema (de 2 até 63 caracteres) :

      # echo DebianHostName > /etc/hostname

Caso você possua diversas placas de rede você deverá colocar os nomes dos módulos dos controladores das mesmas no arquivo /etc/modules na ordem desejada. Assim, durante a inicialização, cada placa será associada com o nome de interface (eth0, eth1, etc.) que você espera.


3.7.5.4 Configure Fuso Horário, Usuários e o APT

Define seu fuso horário, adicione um usuário normal e escolha suas fontes para o apt executando o comando

      # /usr/sbin/base-config

3.7.5.5 Configurar os Locales

Para configurar suas definições de locale para que você possa utilizar um idioma diferente do Inglês, execute o comando :

      # dpkg-reconfigure locales

NOTA: Antes de utilizar locales com conjuntos de caracteres diferentes de ACSII ou latin1, por favor consulte o HOWTO apropriado de localização.


3.7.6 Instale um kernel

Caso você pretenda iniciar este sistema, você provavelmente quer um kernel Linux e um gerenciador de inicialização. Identifique kernels pré-empacotados disponíveis com o comando

      # apt-cache search kernel-image

e então instale o pacote contendo o kernel de sua escolha usando o nome do pacote

      # apt-get install kernel-image-2.X.X-arch-etc

3.7.7 Configure o Gerenciador de Inicialização

Para fazer com que seu sistema Debian GNU/Linux seja inicializável, configure seu gerenciador de inicialização para carregar o kernel instalado com sua nova partição raiz.


3.8 Configuração de Pré-Instalação do Sistema Operacional e do Hardware

Esta seção o guiará através da configuração de hardware pré-instalação, se houver, que você precisará fazer antes de instalar o Debian. Geralmente, isso envolve verificação e possivelmente mudança de configurações de firmware de seu sistema. O ``firmware'' é o software central usado pelo hardware; é invocado criticamente durante o processo de inicialização (depois de ligar). Problemas de hardware conhecidos afetando o funcionamento do Debian GNU/Linux em seu novo sistema também são destacados.


3.8.1 Acessando o OpenBoot

O OpenBoot possui as funções básicas necessárias para iniciar a arquitetura SPARC. Isto é bastante parecido em função com a BIOS na arquitetura X86, embora muito mais agradável. Os PROMs de boot Sun têm em sua construção um interpretador forth que permite fazer grande número de coisas com sua máquina, como diagnósticos, scripts simples etc.

Para ir ao aviso de boot você precisa segurar a tecla Stop (em teclados antigos tipo 4, use a tecla L1, se você tem um teclado de PC adaptado, use a tecla Break) e pressione a tecla A. O PROM de inicialização mostrará um aviso de comando ok ou >. É preferível ter o aviso de comando ok. Assim, se você obtiver o aviso de comando no estilo antigo, pressione a tecla "n" para obter o novo estilo de aviso de comando.


3.8.2 Seleção de dispositivo de BOOT

Você pode usar o Openboot para inicializar através de dispositivos específicos, e também alterar o dispositivo de boot padrão. No entanto, você precisa conhecer alguns detalhes sobre como o Openboot nomeia dispositivos; o sistema de nomes dele é muito diferente dos nomes de dispositivos do Linux, descrito em Nomes dos dispositivos no Linux, Secção 6.3. O comando também pode variar um pouco, dependendo de qual versão do OpenBoot você possui. Mais informações sobre o OpenBoot podem ser encontradas em Referência do OpenBoot Sun.

Tipicamente, com novas versões, você pode usar o dispositivo do OpenBoot como ``floppy''(disquete), ``cdrom'', ``net''(rede), ``disk'', ou ``disk2''. Estes têm significados óbvios; o dispositivo ``net'' é para inicialização através da rede. Adicionalmente, o nome do dispositivo pode especificar uma partição particular do disco, como ``disk2:a'' para iniciar pelo disco2, primeira partição. Nomes completos de dispositivos OpenBoot têm a forma

     nome-do-driver@endereço-unid:argumentos-do-dispositivo

. Em versões antigas do OpenBoot, os nomes de dispositivos são um pouco diferentes: o disquete é chamado ``/fd'', e dispositivos de disco SCSI têm a forma ``sd(controladora, identificação-do-disco-alvo, lun-do-disco)''. O comando show-devs em revisões novas do OpenBoot é útil para visualizar os dispositivos configurados atualmente. Para informações completas, qualquer que seja sua versão, veja a Referência OpenBoot Sun.

Para inicializar através de um dispositivo específico, use o comando boot dispositivo. Você pode configurar este dispositivo como seu padrão usando o comando setenv. Porém, o nome da variável a ser alterada mudou entre as revisões do OpenBoot. Em Openboot 1.x, use o comando setenv boot-from dispositivo. Em versões posteriores do OpenBoot, use o comando setenv boot-device dispositivo. Note que isto também é configurável usando o comando eeprom no Solaris ou modificando os arquivos apropriados no diretório /proc/openprom/options/. Sob Linux, por exemplo :

     echo disk1:1 > /proc/openprom/options/boot-device

e sob Solaris :

     eeprom boot-device=disk1:1

3.8.3 Problemas de Hardware a Observar

Muitas pessoas têm tentado operar suas CPU's 90 MHz em 100 MHz, etc. Isso algumas vezes funciona, mas é sensível à temperatura e outros fatores e pode danificar seu sistema. Um dos autores deste documento fez o over-clock de seu próprio sistema por um ano, e então o sistema começou a abortar o programa gcc com um sinal inesperado enquanto estava compilando um kernel do sistema operacional. Voltando a velocidade da CPU à sua nominal, o problema foi resolvido.

O compilador gcc freqüentemente é a primeira coisa a falhar com módulos de memória ruins (ou outros problemas de hardware que alteram dados imprevisivelmente) porque ele faz enormes estruturas de dados que movimenta repetidamente. Um erro nessas estruturas de dados fará com que execute uma instrução ilegal ou acesse um endereço inexistente. O sintoma disso será o gcc terminar com um sinal inesperado.


[ anterior ] [ Índice ] [ 1 ] [ 2 ] [ 3 ] [ 4 ] [ 5 ] [ 6 ] [ 7 ] [ 8 ] [ 9 ] [ 10 ] [ 11 ] [ 12 ] [ próximo ]

Instalando Debian GNU/Linux 3.0 para SPARC

versão 3.0.24, 18 December, 2002

Bruce Perens
Sven Rudolph
Igor Grobman
James Treacy
Adam Di Carlo