Capítulo 2. O que há de novo em Debian 11

Índice

2.1. Arquitecturas suportadas
2.2. O que há de novo na distribuição?
2.2.1. Desktops e pacotes muito conhecidos
2.2.2. Scan e impressão sem drivers
2.2.3. Novo comando open
2.2.4. Control groups v2
2.2.5. Journal systemd persistente
2.2.6. News from Debian Med Blend

O Wiki tem mais informação acerca deste tópico.

2.1. Arquitecturas suportadas

As seguintes são as arquitecturas suportadas oficialmente em Debian 11:

  • PC de 32-bit (i386) e PC de 64-bit (amd64)

  • 64-bit ARM (arm64)

  • ARM EABI (armel)

  • ARMv7 (EABI hard-float ABI, armhf)

  • little-endian MIPS (mipsel)

  • 64-bit little-endian MIPS (mips64el)

  • 64-bit little-endian PowerPC (ppc64el)

  • IBM System z (s390x)

Pode ler mais acerca do estado do port, bem como informação específica do port para a sua arquitectura nas páginas web dos ports Debian.

2.2. O que há de novo na distribuição?

Este novo lançamento de Debian vem mais uma vez com muito mais software do que o seu predecessor buster; a distribuição inclui mais de 13370 novos pacotes, num total de mais de 57703 pacotes. A maior parte do software na distribuição foi actualizado: mais de 35532 pacotes de software (isto é 62% de todos os pacotes na buster). Além disso, um número significativo de pacotes (mais de 7278, 13% dos pacotes na buster) foram removidos da distribuição por várias razões. Não verá quaisquer actualizações a estes pacotes e estes serão marcados como obsoletos nos programas de gestão de pacotes; veja Secção 4.8, “Pacotes obsoletos”.

2.2.1. Desktops e pacotes muito conhecidos

Debian é mais uma vez lançado com vários ambientes de trabalho e aplicações. Entre outros agora inclui os ambientes de trabalho GNOME 3.38, KDE Plasma 5.20, LXDE 11, LXQt 0.16, MATE, 1.24, e Xfce 4.16.

As aplicações de produtividade também foram actualizadas, incluindo os conjuntos de ofimática:

  • O LibreOffice foi atualizado para a versão 7.0;

  • Calligra foi atualizado para 3.2.

  • O GNUcash foi atualizado para 4.4;

Entre muitas outras, este lançamento também inclui, as seguintes actualizações de software:

PacoteVersão em 10 (buster)Versão em 11 (bullseye)
Apache2.4.382.4.46
BIND Servidor DNS9.119.16
Cryptsetup2.12.3
Dovecot MTA2.3.42.3.13
Emacs26.127.1
Exim servidor predefinido de e-mail4.924.94
GNU Compiler Collection como compilador predefinido 8.310.2
PHP2.10.82.10.22
GnuPG2.2.122.2.20
Inkscape0.92.41.0.2
a GNU biblioteca C2.282.31
lighttpd1.4.531.4.58
Imagem de kernel Linuxsérie 4.19série 5.10
LLVM/Clang toolchain6.0.1 e 7.0.1 (predefinido)9.0.1 e 11.0.1 (predefinido)
MariaDB10.310.5
Nginx1.141.18
OpenJDK1111
OpenSSH7.9p18.4p1
Perl5.285.32
PHP7.37.4
Postfix MTA3.43.5
PostgreSQL1113
Python 33.7.33.9.1
Rustc1.41 (1.34 para (armel)1.48
Samba4.94.13
Vim8.18.2

2.2.2. Scan e impressão sem drivers

Quer para imprimir com CUPS, quer para fazer scans com SANE é cada vez mais provável que seja possível, sem necessitar de qualquer controlador (frequentemente não-livres) específico do modelo do hardware, especialmente no caso de dispositivos comercializados nos últimos cinco anos.

2.2.2.1. CUPS e impressão sem drivers

As impressoras modernas ligadas por ethernet ou wireless já podem utilizar impressão sem drivers, implementada via CUPS e cups-filters, tal como descrito nas Notas de Lançamento de Buster. Debian 11 bullseye traz o novo pacote ipp-usb, que é recomendado por cups-daemon e utiliza o protocolo IPP-over-USB que é independente do fabricante e é suportado por muitas impressoras modernas. Isto permite a um dispositivo USB ser tratado como um dispositivo de rede, estendendo a impressão sem drivers a impressoras ligadas por USB. Os detalhes específicos estão destacados em no wiki.

O ficheiro de serviço systemd incluido no pacote ipp-usb inicia o daemon ipp-usb quando for ligada alguma impressora USB, e assim tornando-a disponível para imprimir. Por predefinição cups-browsed deve-a configurar automaticamente, ou poderá ser configurada manualmente com uma fila de impressão local sem drivers.

2.2.2.2. SANE e fazer scan sem drivers

O backend oficial de SANE é disponibilizado por sane-escl no libsane1. Um backend desenvolvido de forma independente é o sane-airscan. Ambos os backends compreendem o protocolo eSCL mas o sane-airscan também pode utilizar o protocolo WSD. Os utilizadores devem considerar ter ambos os backends nos seus sistemas.

eSCL e WSD são protocolos de rede. Consequentemente irão operar sobre uma ligação USB se o dispositivo for um dispositivo IPP-over-USB (ver acima). Note que libsane1 tem ipp-usb como pacote recomendado. Isto leva a um dispositivo adequado ser automaticamente configurado para utilizar um backend sem drivers quando for ligado a uma porta USB.

2.2.3. Novo comando open

Está disponível um novo comando open como atalho de conveniência para xdg-open (por predefinição) ou run-mailcap, gerido pelo sistema update-alternatives(1). É destinado ao uso interativo na linha de comandos, para abrir ficheiros com a sua aplicação predefinida, que poderá ser um programa gráfico quando este estiver disponível.

2.2.4. Control groups v2

Em bullseye, systemd tem predefinido a utilização de control groups v2 (cgroupv2), que disponibiliza uma hierarquia unificada de controlo de recursos. Se necessário, estão disponíveis parâmetros de linha de comandos do kernel para reactivar o antigo cgroups; veja as notas para OpenStack na Secção 5.1.9, “OpenStack e cgroups v1” secção.

2.2.5. Journal systemd persistente

Systemd em bullseye activa a sua funcionalidade de journal persistente por predefinição guardando os seus ficheiros em /var/log/journal/. Para detalhes, veja systemd-journald.service(8); note que em Debian o journal é legível para membros do grupo adm, além do grupo predefinido systemd-journal.

Isto não deve interferir com qualquer daemon tradicional de logging tal como rsyslog, no entanto os utilizadores que não necessitem de funcionalidades especiais de um daemon podem desejar desinstala-lo e passar a utilizar apenas o journal.

2.2.6. News from Debian Med Blend

The Debian Med team has been taking part in the fight against COVID-19 by packaging software for researching the virus on the sequence level and for fighting the pandemic with the tools used in epidemiology. The effort will be continued in the next release cycle with focus on machine learning tools that are used in both fields.

Besides the addition of new packages in the field of life sciences and medicine, more and more existing packages have gained Continuous Integration support.

A range of performance critical applications now benefit from SIMD Everywhere. This library allows packages to be available on more hardware platforms supported by Debian (notably on arm64) while maintaining the performance benefit brought by processors supporting vector extensions, such as AVX on amd64, or NEON on arm64.

To install packages maintained by the Debian Med team, install the metapackages named med-*, which are at version 3.6.x for Debian bullseye. Feel free to visit the Debian Med tasks pages to see the full range of biological and medical software available in Debian.