Product SiteDocumentation Site

7.2. Procedimentos comuns

O objetivo desta seção é apresentar algumas dicas gerais sobre determinadas operações que um administrador freqüentemente têm de realizar. Estes procedimentos é claro não cobrirao todos os casos possíveis de forma exaustiva, mas podem servir como pontos de partida para os casos mais difíceis.

7.2.1. Configurando um Programa

Quando você deseja configurar um pacote desconhecido, você deve proceder por etapas. Primeiro, você deve ler o que o mantenedor do pacote tem documentado. Leitura /usr/share/doc/pacote/README.Debian irá certamente permitir que você saiba de disposições específicas feitas para simplificar o uso do software. Por vezes, é essencial, a fim de compreender as diferenças em relação ao comportamento original do programa, tal como descrito na documentação geral, tais como howtos. Às vezes esse arquivo também detalham os erros mais comuns em ordem para que você evite perder tempo com problemas comuns.
Então, você deve olhar a documentação oficial do software - consulte a Seção 7.1, “Fontes de documentação” para identificar as várias fontes de documentação existente. O comando dpkg-L pacote fornece uma lista de arquivos incluídos no pacote, você pode, portanto, identificar rapidamente a documentação disponível (bem como os arquivos de configuração, localizados em /etc/). dpkg-s pacote exibe os metadados do pacote e mostra todos os pacotes possíveis recomendados ou sugeridos; lá, você pode encontrar a documentação ou um utilitário que irá facilitar a configuração do software.
Finalmente, os arquivos de configuração são muitas vezes auto-documentados por muitos comentários explicativos, detalhando os vários valores possíveis para cada configuração. Tanto que às vezes é apenas o suficiente escolher uma linha para ativar entre as disponíveis. Em alguns casos, exemplos de arquivos de configuração são fornecidos no diretório /usr/share/doc/pacote/examples/. Eles podem servir de base para o seu próprio arquivo de configuração.

7.2.2. Monitorando o que o Daemons esta fazendo

Entender o que um daemon faz é um pouco mais complicado, uma vez que não interagem diretamente com o administrador. Para verificar se um daemon está realmente trabalhando, você precisa testá-lo. Por exemplo, para verificar o daemon Apache (servidor web), testá-lo com uma solicitação HTTP.
Para permitir esses testes, cada daemon geralmente registra tudo o que ele faz, bem como de quaisquer erros que encontrar, no que são chamados "arquivos de log" ou "logs do sistema". Os logs são armazenados em /var/log/ ou um de seus subdiretórios. Para saber o nome exato de um arquivo de log para cada daemon, consulte a documentação. Nota: um único teste nem sempre é suficiente se não cobrir todos os casos de uso possíveis, alguns problemas só ocorrem em determinadas circunstâncias.
Como uma medida preventiva, o administrador deve ler regularmente os logs mais relevantes do servidor. Assim, ele podem diagnosticar problemas antes mesmo deles serem relatados por usuários descontentes. Na verdade, algumas vezes, os usuários podem esperar que um problema ocorra repetidamente durante vários dias antes de reportá-lo. Em muitos casos, existem ferramentas específicas para analisar o conteúdo dos arquivos de log maiores. Em particular, tais utilitários existem para servidores web (como analog, awstats, webalizer para Apache), para servidores de FTP, para servidores proxy/cache, para firewalls, para servidores de e-mail, para os servidores de DNS, e até mesmo para servidores de impressão. Alguns desses utilitários operam de forma modular e permitem a análise de vários tipos de arquivos de log. Este é o caso do lire. Outras ferramentas, como logcheck (um software discutido em Capítulo 14, Segurança), varrem esses arquivos em busca de alertas a serem tratados.

7.2.3. Pedindo ajuda em uma lista

Se as suas várias buscas não tiverem ajudado a chegar à raiz de um problema, é possível obter ajuda de outras pessoas, talvez mais experientes. Este é exatamente o objetivo da lista . Como em qualquer comunidade, tem regras que precisam ser seguidas. Antes de fazer qualquer pergunta, você deve verificar se o seu problema não foi abordado por debates recentes na lista ou em qualquer documentação oficial.
Uma vez satisfeitas estas duas condições, você pode pensar em descrever o seu problema para a lista de discussão. Inclua o máximo de informações relevantes possíveis: vários testes realizados, documentação consultada, como você tentou diagnosticar o problema, os pacotes em questão ou aqueles que podem estar envolvidos, etc. Verifique o Sistema de Acompanhamento de Bugs (BTS, descrito na barra lateral FERRAMENTA Bug tracking system) para problemas semelhantes, e mencione os resultados dessa pesquisa, fornecendo links para bugs encontrados. BTS começa em:
O mais cortês e preciso que você tenha sido, as maiores chances suas de obter uma resposta, ou, pelo menos, alguns elementos de resposta. Se você receber informações relevantes por e-mail privado, pense em resumir esta informação públicamente para que outros possam beneficiar. Isto também permite que os arquivos da lista, pesquisados através de vários motores de busca, mostrem a resolução para outros que podem ter a mesma pergunta.

7.2.4. Reportando um Bug Quando um Problema É Muito Dificil

Se todos os seus esforços para resolver um problema falhar, é possível que uma resolução não seja de sua responsabilidade, e que o problema é devido a um bug no programa. Neste caso, o procedimento correto é relatar o bug ao Debian ou diretamente aos desenvolvedores. Para fazer isso, isolar o problema, tanto quanto possível e criar uma situação de teste mínimo em que pode ser reproduzido. Se você souber qual o programa que é a causa aparente do problema, você pode encontrar o seu pacote correspondente usando o comando, dpkg-Sarquivo_em_questao. Verifique o Sistema de Rastreamento de Bugs (https://bugs.debian.org/pacote) para assegurar que o erro não tenha sido relatado. Você pode então enviar o seu relatório de bug próprio, usando o comando reportbug, incluindo as informações, tanto quanto possível, especialmente uma descrição completa dos casos de teste mínimo que permitirá que qualquer pessoa recrie o bug.
Os elementos deste capítulo são um meio eficaz para resolver os problemas que os capítulos que se seguem podem trazer. Use-os sempre que necessário!